Papa Francisco critica “autoridade opressiva” que cria deesconfiança e hostilidade

O papa Francisco criticou a forma de exercer autoridade que, longe de servir de exemplo aos cidadãos, “torna-se opressiva” e cria um “clima de desconfiança e hostilidade”, levando também à corrupção.

Jorge Bergoglio fez estes comentários no palácio apostólico do Vaticano, momentos antes da recitação da oração do Angelus dominical.

“A autoridade é uma ajuda, mas se se exercer mal, torna-se opressiva, não permite que a pessoa cresça e cria um clima de desconfiança e hostilidade que leva também à corrupção”, apontou.

O papa realçou que um dos defeitos mais frequentes daqueles que têm uma autoridade, “seja civil ou eclesiástica, é exigir dos outros coisas, justas”, mas que depois “eles não praticam”.

Ao contrário, prosseguiu, a autoridade deve servir de “bom exemplo para ajudar os outros a praticar o que é justo e devido, apoiando-os nas provas que se encontram no caminho do bem”.

E aconselhou os católicos a que não procurem “títulos de honra, de autoridade ou supremacia”.

“Pessoalmente, magoa-me ver pessoas que psicologicamente correm atrás de honras”, acrescentou.

O papa Francisco também destacou a modéstia como um valor essencial a ter em conta diariamente e criticou aqueles que se consideram “superiores aos outros”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.