Cristiano Ronaldo tornou-se no melhor marcador da história da UEFA

Cristiano Ronaldo, tornou-se no melhor marcador da história da UEFA em jogos oficiais de seleções. Portugal ocupa lugar de qualificação para o Europeu. A seleção nacional derrotou a Arménia, por 1-0, e assumiu uma vaga de qualificação para o Euro 2016, com carimbo histórico de Cristiano Ronaldo.

O capitão de Portugal tornou-se no melhor marcador da história da UEFA em jogos oficiais de seleções, com 17 golos em fases de qualificação e seis em fases finais de Europeus. Mas a noite no Estádio do Algarve esteve longe de mostrar o melhor Ronaldo e o melhor de Portugal.

Estatisticamente, Portugal esmagou. A seleção lusa arrecadou 64% de posse de bola, 71 ataques e 28 remates, mas só por cinco vezes atirou à baliza. Em sentido inverso, a defensiva Arménia até conseguiu ser mais perigosa do que Portugal, tanto que rematou sete vezes na direção da baliza e só não fez “estragos” porque Rui Patrício foi decisivo, na defesa do nulo, primeiro, e do 1-0, já nos minutos finais.

Fernando Santos pediu “três gajos na área e um a cruzar”, mas Portugal revelou dificuldades em incomodar o guardião adversário. Tanto que ao longo de 65 minutos Roman Berezovsky só teve que fazer uma defesa, a remate de Ronaldo (23′). CR7 fartou-se de tentar o remate, mas quase sempre sem sucesso.

Com Postiga “inexistente” no ataque e um meio-campo nem sempre a alta rotação, os “fantasmas albaneses” ameaçavam passar a ser arménios.

O selecionador disse que era necessário vencer “nem que fosse com um pau”, mas afinal não era preciso pau nenhum. Bastou Quaresma. O extremo entrou aos 70′ e desequilibrou de imediato, ao protagonizar a jogada do 1-0, aos 72′, que contou com a intervenção decisiva de Nani e a finalização de CR7.

Um 1-0 muito “suado”, mas que serve as pretensões de Portugal: soma seis pontos no Grupo I, a um da Dinamarca, mas o conjunto nórdico tem mais um jogo.

Raphaël Guerreiro, lateral-esquerdo de 20 anos que nasceu em França, mostrou ser uma alternativa de enorme valor futuro na seleção, enquanto no flanco oposto Bosingwa, que não jogava por Portugal há quatro anos, evidenciou que ainda dá garantias no presente.

Quaresma voltou a ser a “arma secreta” e Portugal, mesmo com uma preocupante falta de pontaria – precisar de 28 remates e 71 ataques para ganhar por 1-0 à 75.ª classificada do “ranking” da FIFA é motivo de reflexão -, está novamente na rota do Euro 2016. (DN)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.