• Ter. Out 27th, 2020

A perda da confiança dos mercados pode levar Portugal a segundo resgate

O governador do Banco de Portugal defendeu que, mais do que uma saída limpa, Portugal tem de ter “uma saída credível” e que ela se constrói “em relação ao futuro e não ao passado”.

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, admitiu esta sexta-feira no Parlamento que existe a possibilidade de um segundo resgate se o País perder o acesso aos mercados, alertando para a necessidade de “não os desiludir”.

Carlos Costa falava na Comissão Parlamentar de Orçamento e Finanças esta tarde, respondendo a uma questão do deputado socialista João Galamba sobre a sustentabilidade da saída limpa.

“É evidente que a probabilidade de um segundo resgate existe se perdermos acesso aos mercados e isso só acontece se perdermos a confiança dos mercados”, afirmou o governador do banco central.

O responsável defendeu que, mais do que uma saída limpa, Portugal tem de ter “uma saída credível” e que ela se constrói “em relação ao futuro e não ao passado”.

Para Carlos Costa, o País tem de estar “permanentemente atento para não desiludir os mercados”, já que a confiança das instituições “perde-se muito facilmente”.

Por outro lado, mas ainda nas respostas ao deputado do Partido Socialista, que se interrogou quanto aos riscos de deflação no País, Carlos Costa afirmou: “Não estamos confrontados com risco de deflação, mas com o risco de baixa inflação”. (JN)


Facebook Comments
“Vivemos uma espécie de intoxicação”. Como é que se pode saír disto?

Procuradoria Geral da República. Tribunal de Contas. Banco de Portugal... Em todas estas instituições o PS assegurou o controlo. De forma brutal às vezes. E todos os dias, em cargos Read more

Novo Banco: BE quer administradores, acionistas e auditores responsabilizados pessoalmente

O partido BE defendeu que os acionistas, auditores bancários e administradores "devem ser pessoalmente responsabilizados por parte das perdas" em função dos ganhos, quando uma instituição bancária como o Novo Read more

Endividamento da economia portuguesa sobe para 735,4 mil ME em junho

Portugal: endividamento da economia chega aos 360% do PIB em junho. O endividamento do setor não-financeiro situou-se em 735,4 mil milhões no final do primeiro semestre, mais 16,7 mil milhões Read more

Defesa de Ricardo Salgado acusa Banco de Portugal de ser “desleal e desonesto”

A defesa de Ricardo Salgado na contestação à coima aplicada pelo supervisor por violação de normas de prevenção de branqueamento de capitais acusou o Banco de Portugal de ter sido Read more

Show Buttons
Hide Buttons