• Qui. Dez 1st, 2022

António Costa atinge popularidade mais baixa desde que é primeiro-ministro

costa
Share This !

O primeiro-ministro recuou, em Dezembro, para o pior nível de popularidade desde que assumiu a liderança do Governo.

Distante vai o tempo em que António Costa era considerado o líder partidário mais popular em Portugal. Em Dezembro, a sondagem da Aximage para o Negócios e o Correio da Manhã atribui uma nota de 9,7 numa escala de 0 a 20, a primeira negativa do líder socialista desde que assumiu a chefia do Governo.

No mês passado, Costa já havia registado a pior avaliação desde a formação da actual maioria parlamentar.

Apesar de todos os líderes partidários verem a respectiva avaliação piorar em Dezembro face ao mês anterior, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins (10,6), e o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa (10,0), são os únicos a merecer nota positiva.

Já Rui Rio (6,4), presidente do PSD, e Assunção Cristas (8,1), líder do CDS, acentuaram a avaliação negativa que mantêm há já vários meses.

A popularidade de António Costa surge cada vez mais distante do pico de 15,6 atingido em Junho de 2017, precisamente o mês que ficou marcado pela tragédia de Pedrógão Grande. Mas mesmo ao longo desse Verão e mesmo depois dos incêndios de Outubro de 2017 nunca a avaliação do secretário-geral do PS foi tão baixa como agora.
Leia a notícia na íntegra no Jornal de Negócios.

Sobre A REDUÇÃO DO DÉFICE

Sobre a redução da dívida, há duas maneiras de analisar o assunto: numa perspetiva bondosa (a preferida do Governo) e numa perspetiva puramente contabilística, que não vai totalmente ao encontro da narrativa de António Costa.

A primeira perspetiva diz-nos que a dívida em percentagem do PIB (Produto Interno Bruto) está efetivamente a descer. Dos 125,7% registados em 2017, o FMI prevê que atinja os 120,8% no final de 2018. Para o próximo ano, a dívida deverá atingir os 117,2%do PIB português. Isto acontece porque a economia portuguesa está a crescer, logo a criar mais riqueza.

O PIB nacional fechou 2017 nos 193,1 mil milhões de euros. Para este ano, o FMI espera que o país crie 200,6 mil milhões de euros de riqueza. Para 2019, a expectativa do Fundo é que Portugal atinja um PIB de 207,5 mil milhões de euros.

Se nos fixarmos na contabilidade pura, temos de concluir que desde que António Costa tomou posse que a dívida absoluta aumentou, num total de 17,419 mil milhões de euros. Dos 231,526 mil milhões de euros registados em Novembro de 2015, a dívida continuou a subir desde então.

Nos últimos três anos, a dívida subiu 7,5% para um total de 248,955 mil milhões de euros em Setembro de 2018, segundo os dados do Banco de Portugal.

Segundo as previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI), a dívida absoluta vai continuar a aumentar. Dos 242,4 mil milhões esperados para este ano, a dívida portuguesa vai continuar a subir em 2019 e 2020 quando deverá atingir os 246,7 mil milhões de euros. A partir daí, deverá começar a recuar gradualmente até atingir os 241,4 mil milhões de euros em 2023.

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Empresários da construção na seca de investimento público
construcao

Em Abril, a produção do sector da construção caiu 21,5%, face a mesmo mês de 2012, com a engenharia civil a cair 22,6%, diz a Associação de Empresas de Construção Read more

Governo não vai conseguir o corte na despesa
joao ferreira amaral

video - Governo não vai conseguir cortar os 4,7 mil milhões de euros na despesa e defende uma saída do Euro para Portugal, sublinhou Ferreira do Amaral O economista João Read more

Eurogrupo admite mais apoios para Portugal
EuroGrupo

O presidente do Eurogrupo admitiu hoje que poderão vir a ser consideradas medidas de apoio complementares a Portugal e Irlanda para ajudar estes dois países a saírem dos programas de Read more

Equador renuncia a acordo aduaneiro com os EUA devido ao caso Snowden
Ricardo Patino

O Equador anunciou, que renuncia ao pacto aduaneiro com os EUA, que lhe valia tarifas preferenciais, denunciando o acordo como uma "instrumento de chantagem" num momento em que o Governo Read more

Troika duvida do plano de cortes na despesa do Estado português
troika em portugal

A Troika deixou ontem Lisboa com dúvidas sobre o plano de cortes na despesa do Estado. Este é o balanço dos trabalhos realizados nos últimos cinco dias na capital portuguesa. Read more

Portugal deve deixar clara determinação em prosseguir o programa de ajustamento
Durão Barroso

Durão Barroso sublinhou, em Vilnius, a importância de Portugal continuar a mostrar a mesma determinação na implementação do programa de ajustamento, advertindo que os mercados reagem com nervosismo a qualquer Read more