• Qui. Ago 18th, 2022

Cancelados 327 voos em Lisboa e no Porto devido à greve na Groundforce

tap-capitalizacao

Greve na Groundforce levou já ao cancelamento de 301 voos de e para Lisboa, dos 511 previstos, e 26 de e para o Porto, segundo fonte oficial da ANA.

“Devido à greve do serviço de ‘handling’ [assistência em terra à aviação] da Groundforce, dos 511 voos previstos para o aeroporto de Lisboa estão cancelados, até ao momento, 301 voos (160 chegadas e 141 partidas) e previstos serem operados 210 (102 chegadas e 108 partidas)”, referiu à Lusa fonte oficial da empresa gestora de aeroportos.

“Apelamos aos passageiros com voos cancelados que não se dirijam ao aeroporto de Lisboa e procurem informação através de outros canais, digitais e telefónicos”, adiantou a empresa.

As companhias aéreas que utilizam o Terminal 2 do aeroporto de Lisboa – as ‘low cost’ – e as que operam com outra empresa de assistência em escala, que não a Groundforce, mantêm a sua operação regularizada.

Durante o dia de sábado a greve nos serviços de ‘handling’ (apoio de terra à aviação) da Groundforce cancelou 242 voos no aeroporto de Lisboa – 107 chegadas e 135 partidas.

No aeroporto do Porto, a greve levou ao cancelamento de 18 voos (nove chegadas e nove partidas), em Faro e na Madeira foram canceladas três chegadas e três partidas em cada um dos aeroportos e no Porto Santo a paralisação obrigou a cancelamento de quatro ligações aéreas.

O facto de a maior parte das situações abrangidas pelos serviços mínimos decretados para esta greve se terem esgotado durante o dia de sábado, deverá levar a uma subida do número de partidas e chegadas canceladas nos aeroportos nacionais.

Hoje cumpre-se o segundo dia da greve convocada pelo Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA), como protesto pela “situação de instabilidade insustentável, no que concerne ao pagamento pontual dos salários e outras componentes pecuniárias” que os trabalhadores da Groundforce enfrentam desde fevereiro de 2021.

A paralisação da greve vai prolongar-se ainda pelos dias 31 de julho, 01 e 02 de agosto.

Além desta greve, desde o dia 15 de julho que os trabalhadores da Groundforce estão também a cumprir uma greve às horas extraordinárias, que se prolonga até às 24:00 do dia 31 de outubro de 2021.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal e em 49,9% pelo grupo TAP, que, em 2020, passou a ser detido em 72,5% pelo Estado português.

A TAP garantiu no sábado que não tem quaisquer pagamentos em atraso à Groundforce, depois de a empresa de ‘handling’ ter acusado a companhia aérea de uma dívida de 12 milhões de euros por serviços já prestados.

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Partido PSD quer ouvir presidente da TAP no Parlamento com urgência
TAP-06-12-2020

O PSD justificam o pedido de explicações por os apoios à TAP aprovados em 2021 em Bruxelas envolverem "um auxílio do Estado autorizado de 3,2 mil milhões de euros". Os Read more

TAP: Sindicato Nacional avança com ações de impugnação ao despedimento
TAP

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) vai avançar este mês com ações de impugnação ao despedimento, pela TAP, de 14 tripulantes associados, tal como está Read more

A TAP leva a aumento de prejuízos em 12 vezes para 1.230 milhões
TAP-06-12-2020

Já muito antes da pandemia a TAP estava financeiramente doente, agora os prejuízos da TAP SA ascenderam a 1.230,3 milhões de euros em 2020, ano marcado pela pandemia de covid-19, Read more

TAP: CDS presiona Governo para que envie cópias de contratos celebrados desde 2015
TAP-06-12-2020

O partido CDS-PP quer que o Governo envie para a Assembleia da República uma cópia de todos os contratos celebrados entre a TAP e o Estado português, desde 2015, assim Read more

Show Buttons
Hide Buttons