Dívida de Portugal atinge 127,2% sendo a terceira maior na Zona Euro

A dívida pública nacional continuou a ser, no primeiro trimestre do ano, a terceira maior em toda a Zona Euro quando se olha para a dimensão da economia. Portugal tem uma das dívidas que mais cresceu tanto na comparação com o trimestre anterior como quando se observa o primeiro trimestre do ano passado.

Portugal mantém-se no pódio das maiores dívidas públicas da Zona Euro. A dívida nacional continua, igualmente, a subir bastante acima da média comunitária.

A dívida pública portuguesa representava, no final do primeiro trimestre deste ano, 127,2% do produto interno bruto (PIB) nacional, de acordo com os números divulgados esta segunda-feira, 22 de Julho, pelo gabinete de estatísticas europeu.

O programa português esperava que o rácio de dívida pública estivesse nos 115% do PIB este ano. Contudo, os números têm sido revistos e não são coincidentes entre os vários organismos que os calculam. A OCDE prevê que a dívida esteja acima de 128% do PIB nacional este ano, enquanto a troika antecipava, em Mario, um rácio de 124,3% do PIB.

O rácio de dívida face ao PIB aumentou 14,9 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre do ano passado, altura em que o indicador se encontrava em 112,3%. Na Zona Euro, o aumento foi de 4 pontos percentuais, com a dívida pública a representar, agora, 92,2% do PIB face aos 82,2% de há um ano.

No mesmo sentido evoluiu a dívida portuguesa no primeiro trimestre deste ano face aos últimos três meses de 2012. O rácio luso situava-se, nessa data, em 123,8%, o que aponta para um avanço de 3,5 pontos percentuais. A média comunitária passou por um agravamento na ordem dos 1,6 pontos percentuais.

Portugal tem vindo a destacar-se no que diz respeito à dimensão da sua dívida pública nos últimos anos. Aliás, o crescimento da dívida, numa altura em que a economia estava paralisada, levantou dúvidas entre os investidores, acabando por conduzir ao pedido de intervenção externa, em Abril de 2011.

Nos últimos dois anos, têm sido implementadas medidas de austeridade em Portugal cujo objectivo é o de reequilibrar as contas públicas nacionais. Contudo, no curto prazo, estas medidas têm efeitos recessivos, contribuindo para uma quebra da economia e um agravamento da dívida. J.Negocios


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.