• Seg. Fev 26th, 2024

Dívida de Portugal atinge 127,2% sendo a terceira maior na Zona Euro

ByTeam

Jul 22, 2013
Share This !

A dívida pública nacional continuou a ser, no primeiro trimestre do ano, a terceira maior em toda a Zona Euro quando se olha para a dimensão da economia. Portugal tem uma das dívidas que mais cresceu tanto na comparação com o trimestre anterior como quando se observa o primeiro trimestre do ano passado.

Portugal mantém-se no pódio das maiores dívidas públicas da Zona Euro. A dívida nacional continua, igualmente, a subir bastante acima da média comunitária.

A dívida pública portuguesa representava, no final do primeiro trimestre deste ano, 127,2% do produto interno bruto (PIB) nacional, de acordo com os números divulgados esta segunda-feira, 22 de Julho, pelo gabinete de estatísticas europeu.

O programa português esperava que o rácio de dívida pública estivesse nos 115% do PIB este ano. Contudo, os números têm sido revistos e não são coincidentes entre os vários organismos que os calculam. A OCDE prevê que a dívida esteja acima de 128% do PIB nacional este ano, enquanto a troika antecipava, em Mario, um rácio de 124,3% do PIB.

O rácio de dívida face ao PIB aumentou 14,9 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre do ano passado, altura em que o indicador se encontrava em 112,3%. Na Zona Euro, o aumento foi de 4 pontos percentuais, com a dívida pública a representar, agora, 92,2% do PIB face aos 82,2% de há um ano.

Meetic

No mesmo sentido evoluiu a dívida portuguesa no primeiro trimestre deste ano face aos últimos três meses de 2012. O rácio luso situava-se, nessa data, em 123,8%, o que aponta para um avanço de 3,5 pontos percentuais. A média comunitária passou por um agravamento na ordem dos 1,6 pontos percentuais.

Portugal tem vindo a destacar-se no que diz respeito à dimensão da sua dívida pública nos últimos anos. Aliás, o crescimento da dívida, numa altura em que a economia estava paralisada, levantou dúvidas entre os investidores, acabando por conduzir ao pedido de intervenção externa, em Abril de 2011.

Nos últimos dois anos, têm sido implementadas medidas de austeridade em Portugal cujo objectivo é o de reequilibrar as contas públicas nacionais. Contudo, no curto prazo, estas medidas têm efeitos recessivos, contribuindo para uma quebra da economia e um agravamento da dívida. J.Negocios


Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Empresários da construção na seca de investimento público

Em Abril, a produção do sector da construção caiu 21,5%, face a mesmo mês de 2012, com a engenharia civil a cair 22,6%, diz a Associação de Empresas de Construção Read more

Governo não vai conseguir o corte na despesa

video - Governo não vai conseguir cortar os 4,7 mil milhões de euros na despesa e defende uma saída do Euro para Portugal, sublinhou Ferreira do Amaral O economista João Read more

Eurogrupo admite mais apoios para Portugal

O presidente do Eurogrupo admitiu hoje que poderão vir a ser consideradas medidas de apoio complementares a Portugal e Irlanda para ajudar estes dois países a saírem dos programas de Read more

Equador renuncia a acordo aduaneiro com os EUA devido ao caso Snowden

O Equador anunciou, que renuncia ao pacto aduaneiro com os EUA, que lhe valia tarifas preferenciais, denunciando o acordo como uma "instrumento de chantagem" num momento em que o Governo Read more

Troika duvida do plano de cortes na despesa do Estado português

A Troika deixou ontem Lisboa com dúvidas sobre o plano de cortes na despesa do Estado. Este é o balanço dos trabalhos realizados nos últimos cinco dias na capital portuguesa. Read more

Portugal deve deixar clara determinação em prosseguir o programa de ajustamento

Durão Barroso sublinhou, em Vilnius, a importância de Portugal continuar a mostrar a mesma determinação na implementação do programa de ajustamento, advertindo que os mercados reagem com nervosismo a qualquer Read more

Show Buttons
Hide Buttons