Empresários da construção na seca de investimento público

Em Abril, a produção do sector da construção caiu 21,5%, face a mesmo mês de 2012, com a engenharia civil a cair 22,6%, diz a Associação de Empresas de Construção e Obras Pública e Serviços (AECOPS), que justifica a queda com a “seca” de investimentos públicos.

Se tivermos de estabelecer alguma ligação entre as condições climáticas e a produção do sector, temos antes de dizer que a situação desastrosa identificada na última estimativa rápida das Contas Nacionais Trimestrais e na análise mensal dos Índices de Produção, Emprego e Remunerações na Construção se deve, isso sim, ao ‘fenómeno meteorológico’ de ‘grande seca’ que tem vindo a caracterizar o investimento público em Construção e que condiciona inquestionavelmente a procura”, diz o presidente da AECOPS, Ricardo Pedrosa Gomes.

As declarações de Ricardo Pedrosa Gomes surgem no seguimento das afirmações proferidas por Vítor Gaspar durante o debate do Orçamento Rectificativo, segundo as quais “o investimento no primeiro trimestre deste ano foi adversamente afectado pelas condições meteorológicas dos primeiros três meses do ano que prejudicaram a actividade da construção”.

Em comunicado, a associação “recorda e insiste” que o sector está “perante a maior quebra de sempre na produção no sector da Construção, reflexo não de um, mas de 21 trimestres consecutivos de contracção do investimento na actividade, designadamente no segmento da Engenharia Civil, e que, “mais do que o mau tempo, esta redução é, isso, sim, o resultado da total ausência de obras”. [icon name=”icon-circle-arrow-right”] Publico


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.