• Ter. Dez 6th, 2022

Hotelaria e restauração reclamam apoios adicionais para reabrirem

hotelaria-restauracao
Share This !

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) alertou que sem medidas adicionais de apoio ao setor muitas empresas “não terão condições para reabrir” dados os “grandes constrangimentos” iniciais com que terão de laborar.

Se não tivermos apoios, há muitas empresas que não vão ter condições para reabrir, porque não o vão fazer para ter prejuízo. Sabendo nós que vamos reabrir numa situação extraordinária e com grandes constrangimentos, se não formos apoiados será muito difícil manter os postos de trabalho e as empresas abertas“, avisou a secretária-geral da AHRESP num ‘webinar’ para debater Problemas e Soluções para o canal Horeca [hotelaria, restauração e cafetarias] no contexto do surto de covid-19.

Conforme salientou Ana Jacinto, “a AHRESP percebeu desde a primeira hora que esta pandemia iria ter um impacto tremendo nos setores que representa”, tendo-se entretanto confirmado um “cenário verdadeiramente preocupante”, em que se impõem “medidas robustas para que empresas consigam sobreviver e tenham condições para reabrir”.

Obviamente que o Governo tem de criar linhas de apoio específicas para este setor, na defesa dos postos de trabalho. Chamemos-lhe ‘lay-of’ simplificado 2′ ou outra coisa, tem que haver um regime para assegurar a manutenção dos postos de trabalho [no período pós-reabertura], porque um estabelecimento que está parcialmente encerrado terá diferenças nas suas vendas e receitas”, afirmou, por sua vez, o primeiro vice-presidente da associação.

Segundo Carlos Moura, impõe-se também “uma linha de financiamento aos equipamentos de proteção individual” que os estabelecimentos terão que adquirir de forma a poderem laborar, assim como “um reforço nas medidas de liquidez, porque as empresas não pagam só salários, têm uma série de compromissos que têm de ver satisfeitos”.

“Num setor que está encerrado desde o dia 22 de março e que vai continuar a estar parcialmente encerrado, há medidas específicas que têm de ser tomadas para proteger a saúde das empresas e para conservar os postos de trabalho”, sustentou, salientando estarem em causa 320 mil postos de trabalho canal Horeca.

Entre as medidas adicionais reclamadas, a secretária-geral Ana Jacinto destacou a necessidade de “estender o regime do ‘lay-off’, ou outra medida similar”, ao período posterior à reabertura dos estabelecimentos.

Conforme explicou, “as empresas quando reabrirem não o poderão fazer com a máxima capacidade, não terão muitos clientes e não terão todas as suas equipas a trabalhar em simultâneo, de forma a manter o distanciamento”.

Desta forma, salientou, os estabelecimentos “não vão poder utilizar todos os seus colaboradores”, cujos postos de trabalho é, contudo, preciso continuar a assegurar.

Outro dos “ajustamentos” reclamados pela AHRESP ao atual regime de ‘lay-off’ é o aumento da comparticipação da Segurança Social, “porque se as empresas estão encerradas e não faturam, é muito difícil no final do mês terem os 30% [que agora lhes são exigidos] disponíveis para suportar a parte que lhes compete” nos salários dos trabalhadores.

Adicionalmente, a associação defende o alargamento do ‘lay-off’ aos sócios-gerentes, medida que considera “mais do que justa” dado o “tecido empresarial muito micro” dominante em Portugal, e reclama a criação de “apoios à tesouraria” das empresas, criticando que as todas medidas de financiamento até agora disponibilizadas passem por “criar mais endividamento”.

Outro problema que a AHRESP considera “muito preocupante” é o das rendas dos estabelecimentos encerrados, defendendo que durante o período de emergência vigorasse uma isenção e não uma moratória no pagamento destas prestações, “nem que para isso depois tivessem que prolongar o contrato e pagar as rendas mais tarde, como foi feito em Espanha”.

“Nós não estamos a criar condições para as empresas sobreviverem, estamos a fazer alívios temporários que depois são pagos com custos avultados, numa reabertura que já vai ser muito condicionada e com muito poucas receitas. Continuamos a trabalhar no sentido de se criarem isenções e não moratórias e de se injetar dinheiro a fundo perdido nas empresas”, sustentou Ana Jacinto.

Relativamente ao guia de boas práticas desenvolvido pela AHRESP para orientar a reabertura dos estabelecimentos, e que a associação espera que fique “fechado já esta semana”, a secretária-geral da associação garante que prevê medidas “muito fáceis de executar”, grande parte das quais “as empresas já cumprem e só terão de intensificar”.

“Muitos empresários já estão a fazer compras de acrílicos e de termómetros, mas é preciso que tenham calma e não façam aquisições nem tomem decisões precipitadas. A matéria dos medidores de temperatura ainda nem está totalmente tratada, ainda tem de ser legislada e da nossa parte nem sequer consta do guia”, referiu Ana Jacinto (…)
(Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Empresários da construção na seca de investimento público
construcao

Em Abril, a produção do sector da construção caiu 21,5%, face a mesmo mês de 2012, com a engenharia civil a cair 22,6%, diz a Associação de Empresas de Construção Read more

Governo não vai conseguir o corte na despesa
joao ferreira amaral

video - Governo não vai conseguir cortar os 4,7 mil milhões de euros na despesa e defende uma saída do Euro para Portugal, sublinhou Ferreira do Amaral O economista João Read more

Eurogrupo admite mais apoios para Portugal
EuroGrupo

O presidente do Eurogrupo admitiu hoje que poderão vir a ser consideradas medidas de apoio complementares a Portugal e Irlanda para ajudar estes dois países a saírem dos programas de Read more

Equador renuncia a acordo aduaneiro com os EUA devido ao caso Snowden
Ricardo Patino

O Equador anunciou, que renuncia ao pacto aduaneiro com os EUA, que lhe valia tarifas preferenciais, denunciando o acordo como uma "instrumento de chantagem" num momento em que o Governo Read more

Troika duvida do plano de cortes na despesa do Estado português
troika em portugal

A Troika deixou ontem Lisboa com dúvidas sobre o plano de cortes na despesa do Estado. Este é o balanço dos trabalhos realizados nos últimos cinco dias na capital portuguesa. Read more

Portugal deve deixar clara determinação em prosseguir o programa de ajustamento
Durão Barroso

Durão Barroso sublinhou, em Vilnius, a importância de Portugal continuar a mostrar a mesma determinação na implementação do programa de ajustamento, advertindo que os mercados reagem com nervosismo a qualquer Read more