• Sáb. Out 24th, 2020

Lesados do BES garantem protestar junto à casa de Ricardo Salgado e Carlos Costa

Cerca de 50 lesados do Banco Espírito Santo, concentrados hoje no Porto, ameaçam novos protestos junto à casa do ex-presidente, Ricardo Salgado, do ex-Presidente da República, Cavaco Silva, e do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa.

Fernando Silva, promotor da manifestação em frente às instalações do Novo Banco e do Banco de Portugal, na Avenida dos Aliados, afirmou à Lusa que a recuperação do dinheiro só será “conseguida nas ruas” dada a “desunião” que reina entre os lesados.

Comerciantes e emigrantes lesados do Banco Espírito Santo (BES) concentraram-se para exigir a devolução imediata dos valores que dizem ter em dívida há mais de três anos.

Acusando os advogados e as associações de lesados de “não terem informado os aderentes” de uma provisão de 1.837 milhões de euros para “pagar a todos os lesados” que, entretanto, “desapareceu”, o antigo emigrante na Suíça, natural de Espinho, apelou à união dos lesados para o combate nas ruas.

“Este assunto vai ser resolvido nas ruas, apesar de haver muitos que estão sentados em casa, em Espinho e Vila Nova de Gaia. Apelamos a todos os lesados para que se unam a nós, que sejam presentes”, disse Fernando Silva.

No plano de ação estão protestos à porta do líder histórico do BES, Ricardo Salgado, de Cavaco Silva, do ex-primeiro-ministro Passos Coelho e de Carlos Costa.

Ruidoso na forma como manifestou o seu descontentamento, Manuel Leite confessou “não ter vida” e que através do advogado ainda não conseguiu reaver nenhum dinheiro.

Emigrante 30 anos na Suíça e natural de Vale de Cambra, acusou os “que ficam no sofá à espera que resolvam por eles”.

De Aveiro e com um cartaz na mão, Maria Leite disse à Lusa já ter “dado 6.000 euros ao advogado” para tentar recuperar o dinheiro que o banco lhe “roubou”.

“Se não for eu a receber o meu dinheiro, serão os meus herdeiros a fazê-lo. Será até ao último centavo e com juros garantidos”, prometeu.

O BES, tal como era conhecido, acabou em 03 de agosto de 2014, quatro dias depois de apresentar um prejuízo semestral histórico de 3,6 mil milhões de euros.

O Banco de Portugal, através de uma medida de resolução, tomou conta da instituição fundada pela família Espírito Santo e anunciou a sua separação, ficando os ativos e passivos de qualidade num ‘banco bom’, denominado Novo Banco, e os passivos e ativos tóxicos no BES, o ‘banco mau’ (’bad bank’), sem licença bancária. (Ag.Lusa)

Facebook Comments
EDP: Empresa constituída arguida no caso que envolve Artur Trindade

A EDP já foi notificada da sua constituição como arguida, no âmbito do caso que envolve o ex-secretário de Estado da Energia Artur Trindade, confirmou à Lusa fonte oficial da Read more

Defesa de Ricardo Salgado acusa Banco de Portugal de ser “desleal e desonesto”

A defesa de Ricardo Salgado na contestação à coima aplicada pelo supervisor por violação de normas de prevenção de branqueamento de capitais acusou o Banco de Portugal de ter sido Read more

Operação Marquês: Abertura de instrução até 03 de setembro

José Sócrates (antigo primeiro-ministro) e os restantes arguidos da 'Operação Marquês' têm até dia 03 setembro para pedir a abertura de instrução do processo, por decisão judicial. Segundo uma fonte Read more

Investigações ao BES devem estar concluídas até ao início de 2016

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, afirmou hoje que as fases de investigação das averiguações em curso no decorrer da auditoria forense ao BES devem estar concluídas no Read more

Show Buttons
Hide Buttons