• Qui. Dez 1st, 2022

Maiores bancos do mundo reúnem-se para atacar Banco de Portugal

Novo Banco
Share This !

A Associação Internacional de Swaps e Derivados (ISDA), com sede em Londres, confirmou que os maiores bancos do mundo reúnem-se em Londres, para avaliar o problema criado pelo Banco de Portugal, inserido nas obrigações do Novo Banco.

Em causa, podem estar o incumprimento não de cinco, mas mais de 50 linhas obrigatórias.

A primeira reunião ocorreu na quarta-feira, mas foi inclusiva. Na proxima reunião, haverá uma segunda ronda para discutir o polémico caso do banco português.

Na mesa da alta finança global estarão o Bank of America, Barclays Bank, BNP Paribas, Citibank, Credit Suisse, Deutsche Bank, Goldman Sachs, JPMorgan Chase, Morgan Stanley e Nomura, para decidirem se há ou não o incumprimento de obrigações e se devem ser acionados os respetivos seguros para cobrir as perdas em que os “institucionais” entretanto incidiram ou vão incidir.

O esquema de votação é rotacional, e estarão ainda presentes o gigante japonês Mizuho, a Société Générale e fundos de gestão de capitais, como Alliance-Bernstein, BlueMountain Capital, Citadel, Pimco, Cyrus Capital, Elliott Management.

Caso isto se venha a confirmar, podem estar em risco de incumprimento não cinco, mas mais de 50 linhas obrigacionistas do Novo Banco num valor estimado de 18 mil milhões de euros em dívida, o equivalente a 10% do produto interno bruto anual de Portugal.

Mark Gilbert, membro do conselho editorial da Bloomberg, refere num artigo de opinião, que esta ação vem na sequência da decisão “arbitrária” tomada pelo Banco de Portugal, a 29 de dezembro de 2015, e que a solução encontrada pelo banco central é como uma “granada” sobre o “caótico” mercado obrigacionista do país.

O analista recorda que “o banco central português atirou o seu mercado de obrigações para uma confusão”, que as cinco obrigações do Novo Banco valiam dois mil milhões de euros, mas que a decisão “destrói cerca de 80% do valor dos ativos” ao enviá-las para o banco mau.

A associação é composta por 15 elementos (10 grandes bancos grossistas e cinco gestoras de fundos, as retalhistas) e representa o mercado de seguros contra perdas e incumprimento em ativos financeiros. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Empresários da construção na seca de investimento público
construcao

Em Abril, a produção do sector da construção caiu 21,5%, face a mesmo mês de 2012, com a engenharia civil a cair 22,6%, diz a Associação de Empresas de Construção Read more

Governo não vai conseguir o corte na despesa
joao ferreira amaral

video - Governo não vai conseguir cortar os 4,7 mil milhões de euros na despesa e defende uma saída do Euro para Portugal, sublinhou Ferreira do Amaral O economista João Read more

Eurogrupo admite mais apoios para Portugal
EuroGrupo

O presidente do Eurogrupo admitiu hoje que poderão vir a ser consideradas medidas de apoio complementares a Portugal e Irlanda para ajudar estes dois países a saírem dos programas de Read more

Equador renuncia a acordo aduaneiro com os EUA devido ao caso Snowden
Ricardo Patino

O Equador anunciou, que renuncia ao pacto aduaneiro com os EUA, que lhe valia tarifas preferenciais, denunciando o acordo como uma "instrumento de chantagem" num momento em que o Governo Read more

Troika duvida do plano de cortes na despesa do Estado português
troika em portugal

A Troika deixou ontem Lisboa com dúvidas sobre o plano de cortes na despesa do Estado. Este é o balanço dos trabalhos realizados nos últimos cinco dias na capital portuguesa. Read more

Portugal deve deixar clara determinação em prosseguir o programa de ajustamento
Durão Barroso

Durão Barroso sublinhou, em Vilnius, a importância de Portugal continuar a mostrar a mesma determinação na implementação do programa de ajustamento, advertindo que os mercados reagem com nervosismo a qualquer Read more