• Sáb. Nov 27th, 2021

Portugal vai novamente aos mercados para arrecadar até 1.250 milhões de euros nos primeiros leilões do ano

divida-publica

Dívida Pública: Portugal aos mercados para arrecadar entre 1.000 e 1.250 milhões de euros, nos primeiros leilões de dívida pública do ano, referentes a Obrigações do Tesouro (OT), de acordo com o IGCP.

De acordo com um comunicado emitido pela Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública – IGCP na sexta-feira, os leilões desta quarta-feira realizam-se às 10h30, “com maturidade em 18 de outubro de 2030 e 12 de outubro de 2035, com um montante indicativo global entre EUR 1.000 milhões e EUR 1.250 milhões”.

O IGCP planeia emitir 15 mil milhões de euros de dívida em OT (Obrigações do Tesouro) durante este ano.

Segundo um comunicado de imprensa da entidade presidida por Cristina Casalinho, o Programa de Financiamento da República Portuguesa contempla que “o montante das necessidades de financiamento líquidas do Estado no ano de 2021 deverá situar-se em cerca de 14 mil milhões de euros”.

“A estratégia de financiamento para 2021 centrar-se-á na emissão de títulos de dívida pública nos mercados financeiros em EUR [euros] com realização regular de emissões de Obrigações do Tesouro (OT), para promover a liquidez e um funcionamento eficiente dos mercados primário e secundário”, pode ler-se na nota informativa.

De acordo com o IGCP, “um montante de EUR 15 mil milhões será obtido via emissão bruta de OT, combinando sindicatos e leilões, assegurando emissões mensais”, sendo que os leilões “terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro (OEVT) e Operadores de Mercado Primário (OMP)”, realizados às segundas ou quartas quartas-feiras de cada mês.

Meetic

“O montante indicativo e as linhas de OT a reabrir serão anunciados ao mercado até três dias úteis antes do leilão”, de acordo com o comunicado divulgado hoje.

Relativamente a Bilhetes do Tesouro (BT), o IGCP espera que o financiamento líquido resultante da sua emissão “tenha um impacto nulo no saldo”, acrescentando a entidade que “será mantida a estratégia de emissão ao longo de toda a curva, combinando prazos curtos com prazos longos”.

“O IGCP manterá a realização de leilões mensais de BT na terceira quarta-feira de cada mês e, se a procura de investidores o justificar, pode usar também a primeira quarta-feira”, refere a entidade liderada por Cristina Casalinho.

Também na quinta-feira o Conselho de Ministros aprovou uma resolução que autoriza o ICGP “a emitir dívida pública de acordo com os limites estabelecidos no Orçamento do Estado para 2021”, segundo o comunicado hoje divulgado no final da reunião.

De acordo com o OE2021, o Estado pode endividar-se este ano até aos 19,9 mil milhões de euros.

O endividamento da economia subiu pelo quarto mês consecutivo em outubro. A dívida acumulada por famílias, empresas e Estado aumentou cerca de 1.859 milhões de euros naquele mês, tendo fixado um novo recorde de 739.884 mil milhões de euros, de acordo com dados do Banco de Portugal.

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Portugal endividou-se em mais 3.258 milhões de euros até outubro face a 2019
divida-pt

O Estado português endividou-se em mais 3.258 milhões de euros (ME) até outubro face ao que tinha acontecido até à mesma altura do ano passado, segundo um relatório da Unidade Read more

OE 2020 : Carga fiscal volta a subir no próximo ano para 35% do PIB
costa

O peso dos impostos e das contribuições sociais efetivas deverá voltar a aumentar para 35% do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo ano, segundo a proposta do Orçamento do Estado Read more

Dívida pública aumenta mais uma vez de 200 milhões de euros e atinge os 252,3 mil milhões de euros
Mario_Centeno

A dívida pública cresceu 200 milhões, para 252,3 mil milhões de euros, um valor que segundo o Banco de Portugal se deve às responsabilidades do aumento dos depósitos. A dívida Read more

Partido Chega elogia Presidente da República por “decisão certa e realista” de promulgar apoios
andre-ventura-belem

André Ventura do partido Chega elogiou a decisão do Presidente da República de promulgar os diplomas do parlamento que reforçam os apoios sociais, considerando "incompreensível a pressão do Governo" para Read more

Show Buttons
Hide Buttons