• Ter. Mai 11th, 2021

Preço médio do arrendamento de casas em Portugal aumentou 37% em 2018

imobiliario

O preço médio das casas em Portugal em 2018 aumentou 37% no arrendamento face a 2017, fixando-se em 1.106 euros, e 25% no mercado de compra e venda, situando-se em 247.090 euros, revelou hoje o portal de imobiliário Imovirtual.

Neste âmbito, Lisboa foi o distrito que, a nível nacional, registou o preço médio mais elevado da habitação em 2018, tanto no arrendamento (1.475,53 euros) como na venda de casas (329.833,29 euros), de acordo com a análise de todos os anúncios novos de apartamentos e moradias para arrendamento e venda, inseridos no Imovirtual em 2017 (492.595) e em 2018 (641.203).

Relativamente ao mercado de arrendamento, o distrito que maior crescimento registou no preço médio das casas foi Beja (85%), seguido de Lisboa (31%) e da ilha da Madeira (30%), segundo os dados do Imovirtual, enviados à Lusa.

Consequência desta dinâmica de valorização, “em Portugal o preço médio de arrendamento de apartamentos e moradias passou de 808 euros em 2017 para 1.106 euros em 2018, um aumento de 37%”.

Os dados globais de 2018 mostram ainda que os distritos com o preço médio de arrendamento na habitação mais baixo foram, respetivamente, a Guarda (347,13 euros), Portalegre (370 euros), Castelo Branco (386,12 euros), Vila Real (405,43 euros) e Santarém (420,23 euros).

“A nível nacional, o distrito da Guarda foi o único que apresentou uma queda no preço médio de arrendamento, passando de 360 euros em 2017 para 347 euros em 2018”, informou o Imovirtual.

No ‘rating’ dos cinco distritos com o preço médio de arrendamento na habitação mais elevado em 2018, Lisboa (1.475,53 euros) ocupou a primeira posição, seguida do Porto (1.102,14 euros), Faro (878,73 euros), Beja (726,27 euros) e Setúbal (685,83 euros).

Em relação ao mercado de compra e venda, os preços dispararam em 2018, comparativamente com o ano anterior, registando-se “um aumento de 25% no preço médio de venda das casas, subindo de 197.561 euros para 247.090 euros, a nível nacional”.

Segundo o portal imobiliário, os distritos que apresentaram um preço médio de venda na habitação mais elevado foram, respetivamente, Lisboa (329.833,29 euros), Faro (316.201,64 euros), Porto (219.906,06 euros), Leiria (213.221,42 euros) e Setúbal (206.326,21 euros).

No distrito de Lisboa, o preço médio de venda de um apartamento ou moradia foi “33% maior do que a média nacional” registada em 2018.

Já o preço médio mais baixo de casas para venda em 2018 localizou-se nos distritos de Castelo Branco (123.873,80 euros), Portalegre (142.989,85 euros), Guarda (147.913,8 euros), Beja (151.606,72 euros) e Santarém (153.650,35 euros), segundo os dados do portal, indicando que “Portalegre foi o único distrito que manteve o seu preço médio em 2018 relativamente ao ano anterior”.

Em termos de crescimento, os distritos de Setúbal e Leiria foram os que verificaram um maior aumento no preço médio de venda de casas em 2018, face ao ano anterior, ambos com uma subida de 33%, seguidos do Porto (26%), Lisboa (24%) e Faro (15%).

No que diz respeito à dinâmica de oferta de apartamentos e moradias para arrendamento e venda, o portal imobiliário Imovirtual registou “um aumento de 30% de novos anúncios de casas” em 2018 (641.203), comparativamente a 2017 (492.595).

Facebook Comments
Faltam mais de 70 mil casas em Portugal para atenuar problema da habitação
casas-predios

Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, afirmou que faltam 70 mil casas em Portugal para fazer face aos problemas habitacionais do país. Em comunicado, o dirigente Read more

Governo aprova sete diplomas para Nova Geração de Políticas de Habitação
Lisboa

O Conselho de Ministros aprovou sete diplomas do pacote legislativo da Nova Geração de Políticas de Habitação, com uma estratégia "pensada nas pessoas e não nas casas", respondendo às carências Read more

FMI alerta risco para a economia na sincronização global dos preços da habitação
apartamentos

O FMI diz que há elevada sincronização nos preços da habitação a nível global, numa análise a 40 países, incluindo Portugal, considerando que isso poderá facilitar a propagação a nível Read more

Despesa das famílias portuguesas desce em cinco anos
economia

As famílias portuguesas gastaram em média menos em 2015 e 2016 do que cinco anos antes, tendo descido o peso das despesas com alimentação e aumentado os custos com a Read more

Show Buttons
Hide Buttons