Covid-19 : Itália pede ajuda à China, Cuba e Venezuela, mas não da UE

A fim de remediar o afluxo maciço de pacientes com Covid-19 que saturam seu sistema de saúde, a Itália está agora recorrendo à China, Cuba e Venezuela em busca de ajuda, tanto material quanto humana. E a União Européia?

Segundo país do mundo depois da China e o primeiro país europeu mais afetado pela pandemia de Covid-19, a Itália agora está se voltando para o mercado internacional para pedir ajuda médica e material à saúde.

No entanto, o governo italiano não recorreu à União Européia (UE) para aliviar seu sistema de saúde sobrecarregado, que não pode mais lidar com o fluxo maciço de pacientes, mas com a China, Cuba e Venezuela.

Respondendo à chamada, Cuba enviou em 21 de março à Lombardia, a região da Itália mais afetada pela pandemia de Covid-19, com mais de 3.095 mortes, segundo o último relatório, uma equipe de 52 médicos e enfermeiros, incluindo alguns já combateram a epidemia de Ebola na África, para ajudar o país europeu mais afetado pelo vírus, segundo a AFP.

A equipa, composta por 36 médicos, 15 enfermeiros e um administrador, “está pronta para trabalhar incansavelmente para tratar e enfrentar a epidemia de Covid-19 em colaboração com profissionais de saúde” da Itália, disse o seu chef, Carlos Ricardo Perez.
Espera-se que sua equipa comece a ajudar nos hospitais de Crema, na província de Cremona, na Lombardia, em 22 de março.

Por seu lado, a China enviou nove médicos e várias toneladas de assistência médica a Roma em 12 de março, em um voo especial para ajudar o governo italiano a lidar com a pandemia de Covid-19.

A bordo do avião fretado por Pequim estavam em particular “ventiladores, equipamentos respiratórios, eletrocardiógrafos, dezenas de milhares de máscaras e outros equipamentos de saúde”, disse o presidente da Cruz Vermelha Italiana, Francesco. Rocca, citado por RFI.

“Os nove especialistas, seis homens e três mulheres liderados pelo vice-presidente da Cruz Vermelha Chinesa, Yang Huichan, e por um ilustre professor de ressuscitação cardiopulmonar, Liang Zongan, são ressuscitadores, pediatras e enfermeiros. administrou a crise do coronavírus na China”, afirmou.

Além disso, mais de três milhões de máscaras chegarão à Itália da China, Egito, Rússia e Índia, segundo a agência italiana Ansa, que cita fontes do Ministério das Relações Exteriores.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, “prometeu enviar tão rapidamente quanto 300 médicos de toda a Itália para apoiar as áreas mais afetadas, entre as quais estão as províncias de Bergamo e Brescia”, de acordo com Les Echos.

Da mesma forma, a Lombardia decidiu, em 18 de março, pedir reforços aos médicos e enfermeiros recentemente aposentados para lidar com a atual crise de saúde e ajudar os poucos e parcialmente exaustos funcionários, segundo a Reuters.

No entanto, apenas 10% dos médicos aposentados da Lombard responderam favoravelmente a essa ligação.
Como resultado, “já bloqueamos as aposentadorias e pedimos ao governo para forçar aqueles que cessaram sua atividade a retomar a atividade”, disse o assessor de saúde do Conselho Regional da Lombardia

“Precisamos de médicos e enfermeiros”, disse Attilio Fontana, presidente da província da Lombardia. E para continuar:
“Eles são insuficientes e exaustos. A ligação feita nos últimos dias para aqueles que não trabalham mais ou para especialistas em outras regiões não produziu a resposta esperada.”

A solidariedade europeia não existe. Foi um conto de fadas

A Itália não é o único país europeu a recorrer a governos de outros continentes em busca de ajuda na luta contra o Covid-19.

Por sua parte, o presidente sérvio Aleksandar Vucic acusou, em 17 de março, a UE de ter abandonado seu país após a decisão da Comissão Europeia de limitar a exportação de materiais como máscaras, óculos ou roupas, provocando raiva do chefe de estado da pequena república balcânica.

Em 15 de março, Bruxelas anunciou que as exportações de equipamentos de proteção médica deveriam estar sujeitas à autorização dos governos europeus. “A solidariedade europeia não existe. Foi um conto de fadas”, disse Aleksandar Vucic, alegando que agora colocou as “esperanças” do país na China.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.