Dilma Rousseff critica incidente com avião de Morales na Europa

A presidente Dilma Rousseff declarou, que está “indignada” com o incidente envolvendo o presidente boliviano, Evo Morales, que na véspera teve seu avião impedido de cruzar o espaço aéreo de vários países europeus.
(O parlamento da Bolívia vai pedir a expulsão dos representantes diplomáticos de Portugal)

Para Dilma, essa situação “compromete o diálogo entre os dois continentes”.

“O governo brasileiro expressa sua indignação e repúdio ao constrangimento imposto ao presidente Evo Morales por alguns países europeus, que impediram o sobrevoo do avião presidencial boliviano por seu espaço aéreo, depois de haver autorizado seu trânsito”, declarou Dima, em nota oficial.

A presidente disse ainda que a restrição a Morales atinge “toda a América Latina” e “compromete o diálogo entre os dois continentes e possíveis negociações entre eles”. Dilma pediu “pronta explicação e correspondentes escusas por parte dos países envolvidos nesta provocação”.

Dilma Rousseff afirmou que o “noticiado pretexto” para proibir o sobrevoo no espaço aéreo – a suposta presença de Edward Snowden no avião do presidente -, “além de fantasiosa (sic), é grave desrespeito ao Direito e às práticas internacionais e às normas civilizadas de convivência entre as nações”.

Incorreu ainda, acrescentou Dilma, em “risco de vida para o dirigente boliviano e seus colaboradores”.

O avião de Morales se viu forçado a aterrissar em Viena na terça-feira, depois que França, Portugal, Itália e Espanha negaram a ele a autorização de sobrevoo. A suspeita é de que ele pudesse estar viajando com o ex-analista de inteligência Edward Snowden.

O avião de Evo Morales deixou a Europa e aterrissou às 18h30 em Fortaleza (nordeste do Brasil) para uma breve escala técnica, segundo imagens da rede de televisão Telesur.

O embaixador da Bolívia no Brasil, Jerjes Justiniano Talavera, reivindicou hoje uma manifestação de solidariedade por parte do Brasil diante do incidente.

Snowden, que é procurado pelo governo americano por revelar a existência de um programa secreto em larga escala dos Estados Unidos para espionar comunicações eletrônicas, pediu asilo em pelo menos 20 países. Ontem, o Brasil confirmou ter recebido o pedido, por intermédio de sua embaixada em Moscou. (AFP)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Show Buttons
Hide Buttons