Jair Bolsonaro vence as eleições e torna-se presidente do Brasil

O maior país da América tem um novo presidente após a eleição fácil de Jair Bolsonaro, que prometeu “mudar o destino do Brasil”.

Depois de uma campanha tensa e extremamente polarizada, Jair Bolsonaro foi eleito com quase 58 milhões de votos, ou 55,20% dos votos, contra 44,87% do seu oponente de esquerda Fernando Haddad.

Não podemos continuar a flertar com o socialismo, o comunismo, o populismo esquerdista“, disse o presidente eleito no primeiro discurso, que terá um mandato de quatro anos a partir de janeiro 2019.

Fogos de artifício foram disparados na praia da Barra da Tijuca, onde dezenas de milhares de fãs de Bolsonaro se reuniram em frente à sua casa para celebrar sua vitória.

Somos as pessoas indignadas, exasperadas pela violência e corrupção. O Povo falou. Esta é a primeira vez que me sinto representado”, exclamou André Luiz Lobo, empresário negro de 38 anos.

Na praia da Barra da Tijuca, muitos ativistas também gritaram insultos contra o Partido dos Trabalhadores (PT) de Fernando Haddad e seu mentor, ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso por corrupção desde abril.

Em São Paulo, a maior metrópole do Brasil, milhares de fãs de Bolsonaro também saíram às ruas, incluindo a Avenida Paulista, uma das principais artérias da megalópole.

“O Brasil foi libertado do comunismo, do comunismo de Cuba e da Venezuela”, disse Sheila Sani, de 58 anos, exibindo uma grande bandeira brasileira.

A disputa desenfreada entre os dois acampamentos ocorreu no Rio e uma mulher foi ferida em confrontos em Salvador da Bahia (nordeste), mas sua vida não estava em perigo.

Juramento diante de Deus

Em seu primeiro discurso após o anúncio dos resultados, Fernando Haddad não parabenizou o vencedor e pediu que seus “45 milhões de eleitores fossem respeitados”.

“Direitos civis, políticos, trabalhistas e sociais estão em jogo agora”, disse ele. “Temos a responsabilidade de representar uma oposição que coloca os interesses da nação acima de tudo”.

Cercado por sua terceira esposa Michelle e um pastor evangélico, Jair Bolsonaro prometeu que seu governo “defenderá a Constituição, a democracia, a liberdade”.

“Esta não é a promessa de uma festa nem a palavra vazia de um homem, mas é um juramento diante de Deus”, continuou ele, respondendo aos seus críticos que o vêem como uma ameaça para a democracia.

O presidente impopular Michel Temer saudou o sucesso de seu sucessor, anunciando que a transição entre os dois governos começaria na segunda-feira.

“Acabo de parabenizar o presidente eleito Jair Bolsonaro, pude constatar seu entusiasmo, não só quando falou comigo, mas também quando fez suas declarações em favor da unidade do país, a pacificação do país, a harmonia do país “, disse Temer em sua residência oficial em Brasília.

O astro do futebol Neymar disse que espera que “Deus possa usar (Bolsonaro) para ajudar o nosso país”.

Às vezes apelidado de “trunfo tropical”, Jair Bolsonaro disse no Twitter poucas horas após o anúncio dos resultados “ter recebido um telefonema do presidente dos EUA, que o parabenizou por essa eleição histórica”.

“O presidente Trump chamou hoje à noite o presidente eleito do Brasil, Bolsonaro, para parabenizá-lo e ao povo do Brasil pelas eleições de hoje”, disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders.

Para alguns, existe um risco para a democracia

Em um Brasil atormentado por violência recorde, lentidão econômica, corrupção desenfreada e uma aguda crise de confiança na classe política, o ex-pára-quedista conseguiu se estabelecer como o homem duro que o Brasil precisa.

Defensor da família tradicional, ele recebeu apoio crucial das poderosas igrejas evangélicas e para alguns ele tem indignado, por suas declarações, boa parte dos negros, mulheres e membros da comunidade LGBT.

A campanha foi alimentada pelo discurso de ódio e violência tanto à Esquerda como à Direita e com o próprio Jair Bolsonaro vítima de um ataque de esfaqueamento que quase lhe custou a vida em 6 de setembro.

“Eu nunca experimentei uma eleição tão polarizada. Eu acho que é por causa de Bolsonaro que é agressivo, louco. Estou com muito medo “, disse a chorosa Renata Arruda, 41 anos, eleitor de Haddad em São Paulo.

Embora Jair Bolsonaro tenha prometido ser um “escravo da Constituição”, Tomaz Paoliello, professor de relações internacionais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, considera sua eleição “um grande risco para a democracia”.

Para outros, a democracia foi salva da corrupção

“Haddad, um bandido com mais de 100 processos judiciais activos por corrupção e branqueamento de capitais, com programa eleitoral claramente ditatorial e demonizaram Bolsonaro truncando entrevistas, videos, alguns com quase 30 anos e citações fora dos contextos para servir uma agenda política dos donos disto tudo. Foi feita uma clara campanha a FAVOR DO MARXISMO por parte da classe intelectual e dos média”, comenta Cristina.

Marcio Coimbra, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por outro lado, acredita que o Brasil tem fortes salvaguardas com “um piso forte, uma Suprema Corte forte e um Congresso em funcionamento”.

Podcast - Eleições no Brasil - Game To Play     

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.