• Ter. Ago 16th, 2022

Putin disse “claramente” a Macron que não procura um confronto

ByTeam

Jan 28, 2022 , , ,
Vladimir-Putin-28-01-2022

Ucrânia : o Presidente russo disse “muito claramente” ao seu homólogo francês que não procura uma confrontação na Ucrânia, anunciou a presidência francesa, segundo a qual os dois líderes concordaram na necessidade de desanuviar tensões e continuar a dialogar.

“O Presidente Vladimir Putin não expressou qualquer intenção ofensiva (…). Ele disse muito claramente que não estava à procura de confrontação”, disse o gabinete de Emmanuel Macron, citado pela agência noticiosa France-Presse.

A conversa telefónica, que durou mais de uma hora, permitiu aos dois chefes de Estado “chegar a acordo sobre a necessidade de uma desescalada” na tensão sobre a Ucrânia, disse o Eliseu (Presidência).

Sobre a segurança estratégica na Europa, Macron e Putin concordaram na “continuação do diálogo, que exigirá que os europeus (…) façam parte deste diálogo”, o qual envolve principalmente os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

Relativamente ao conflito no Leste da Ucrânia, onde separatistas pró-russos combatem as forças ucranianas desde 2014, Putin insistiu nas conversações no chamado Formato Normandia (Rússia, Ucrânia, Alemanha e França), que visa implementar os acordos de paz de Minsk de 2015, segundo a presidência russa.

“Também deseja continuar com o Presidente [Macron] a discussão que começou hoje”, acrescentou o Eliseu.

Emmanuel Macron deverá também falar com o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, no final da tarde de hoje.

“Irá falar-lhe do nosso empenho na soberania da Ucrânia, da nossa solidariedade neste período de tensão e do nosso empenho em continuar as negociações para encontrar uma forma de implementar os acordos de Minsk”, acrescentou a presidência francesa.

A França exerce atualmente a presidência rotativa do Conselho da União Europeia.

Antes da declaração francesa, a presidência russa (Kremlin) tinha informado que Putin disse a Macron que as respostas do Ocidente às suas exigências ignoraram as “preocupações fundamentais” da Rússia.

Entre as preocupações que ficaram sem resposta, Putin mencionou a recusa categórica da Rússia ao alargamento da NATO para o Leste europeu, aludindo claramente à Ucrânia e também à Geórgia, e o destacamento de armamento ofensivo para perto das fronteiras russas.

Também referiu a retirada das infraestruturas militares aliadas para as posições que ocupava em 1997, antes da expansão para a Europa Oriental e o espaço pós-soviético (1999 e 2004), segundo a agência espanhola EFE.

Segundo o Kremlin, a Rússia “determinará a sua reação futura” depois de estudar em pormenor as respostas dos Estados Unidos e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

A conversa entre Putin e Macron realizou-se no quadro da crescente tensão entre Moscovo e o Ocidente, que receia uma nova invasão da Ucrânia pela Rússia na sequência do envio de pelo menos 100.000 tropas russas para a fronteira com o país vizinho.

A Rússia negou essa intenção, mas disse sentir-se ameaçada pela expansão de 20 anos da NATO ao Leste europeu e pelo apoio ocidental à Ucrânia.

Moscovo exigiu o fim da política de expansão da NATO, incluindo para a Ucrânia e a Geórgia, a cessação de toda a cooperação militar ocidental com as antigas repúblicas soviéticas e a retirada das tropas e armamento dos aliados para as posições anteriores a 1997.

Os Estados Unidos e a NATO rejeitaram formalmente, na quarta-feira, as principais exigências de Moscovo, mas propuseram a via da diplomacia para lidar com a crise.

Em particular, abriram a porta a negociações sobre os limites recíprocos da instalação dos mísseis de curto e médio alcance das duas potências nucleares rivais na Europa, e sobre exercícios militares nas proximidades das fronteiras do campo adversário.

Embora o conteúdo da resposta dos aliados seja desconhecido, o Kremlin admitiu que “há poucos motivos para otimismo”, uma vez que a NATO considera a sua política de porta aberta não negociável, embora não tenha excluído novas rondas de negociações com o Ocidente. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Israel exige pedido de desculpas após Lavrov comparar Zelensky a Hitler
Israel-exige-pedido-de-desculpas-apos-Lavrov-

O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, exigiu um pedido de desculpas do ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, na sequência da comparação feita por este durante uma entrevista ao canal Read more

Guerras ideológicas: Toda a guerra começa com uma ideia.
guerra-de-putin-contra-ucrania

A Guerra de Putin é tão simplesmente a de voltar a ter um império. O valor de uma ideia afere-se pelas suas consequências. Não interessa se parece boa ou má, Read more

Volodymyr Zelensky diz que já não vai insistir na adesão da Ucrânia à NATO
Volodymyr-Zelensky

Num outro sinal de abertura a negociações com Moscovo, durante uma entrevista ao canal televisivo norte-americano ABC, Zelensky disse estar disponível para um "compromisso" sobre o estatuto dos territórios separatistas Read more

Ucrânia: Solidariedade luso-ucraniana enche camião em Gaia e parte para a Polónia
Solidariedade-luso-ucraniana

Um camião com mantimentos reunidos no Seminário do Cristo Rei, em Vila Nova de Gaia, parte hoje rumo à fronteira da Polónia com a Ucrânia para ajudar os refugiados e Read more

Show Buttons
Hide Buttons