• Ter. Dez 1st, 2020

Um total de 96 companhias aéreas estão proibidas de voar para a União Europeia

Um total de 96 companhias aéreas estão proibidas de voar para a União Europeia (UE) por questões de segurança, incluindo várias angolanas, as de São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial, segundo a “lista negra” esta terça-feira divulgada.

No caso de Angola, as exceções são a TAAG Angola Airlines e a Heli Malongo, estando todas as restantes interditas de voar para a UE, numa lista que inclui todas as transportadoras certificadas de São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial (países-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa).

Os aparelhos da Ceiba (Guiné Equatorial) é operada pela companhia portuguesa White nos mercados internacionais.

A STP Airways (São Tomé e Príncipe) tinha um acordo de parceria com a companhia portuguesa Euroatlantic e está em negociações com a White.

A lista de 96 companhias é composta por 90 certificadas em 16 países, inadequada supervisão de segurança por parte das respetivas autoridades aeronáuticas e outras seis companhias individuais, como a Avior Airlines (Venezuela).
Mais informações : ec.europa.eu

Facebook Comments
União Europeia quer reforçar repressão contra os gigantes digitais “Gafa” este ano

A Comissão Europeia vai reforçar a repressão contra o monopólio dos gigantes digitais (Google, Amazon, Facebook e Apple) até ao final de 2020, o que poderá mesmo levar à sua Read more

Meetic

Fundos europeus: Marcelo diz que o dinheiro é dos portugueses e não do Governo

O Presidente da República defendeu que as prioridades para a aplicação dos fundos europeus aprovados no Conselho Europeu devem ser alvo de um debate na sociedade, uma vez que “o Read more

França e Alemanha propõem 500 mil milhões para Fundo de Recuperação das economias afetadas

França e Alemanha propuseram hoje o valor de 500 mil milhões de euros para a criação de um fundo de recuperação europeu para as economias afetadas pela pandemia de covid-19. Read more

Ministros do sul da Europa: Portugal, Espanha e Itália pedem rendimento mínimo europeu

Ministros dos Governos de Portugal, Espanha e Itália defendem a criação de um sistema de rendimento mínimo europeu, apelando à solidariedade como veículo para minimizar a crise provocada pelo novo Read more

Show Buttons
Hide Buttons