• Sex. Jan 27th, 2023

UNICEF pede 100 mil milhões para ajudar 173 milhões de pessoas

UNICEF-pede-100-mil-milhoes
Share This !

O financiamento de emergência será dirigido a pessoas afetadas por crises humanitárias, efeitos prolongados da pandemia da Covid-19 e pela crescente ameaça de graves fenómenos climáticos.

A UNICEF pediu esta segunda-feira financiamento de emergência no valor de 100,3 mil milhões de dólares (97,5 mil milhões de euros) para dar assistência a mais de 173 milhões de pessoas, incluindo 110 milhões de crianças.

De acordo com um comunicado do Fundo das Nações Unidas para a Infância, este financiamento de emergência intitulado “Ação Humanitária para as Crianças”, será dirigido a pessoas afetadas por crises humanitárias, pelos efeitos prolongados da pandemia da Covid-19 em todo o mundo e pela crescente ameaça de graves fenómenos climáticos.

“Atualmente, há mais crianças a precisar de assistência humanitária do que em qualquer outro momento da história recente”, afirmou a diretora executiva daquela agência da ONU, Catherine Russell.

De acordo com a UNICEF, o ano que termina daqui a menos de um mês começou com uma estimativa de 274 milhões de pessoas necessitadas de assistência e proteção humanitária no mundo.

Ao longo do ano, estas necessidades aumentaram consideravelmente, em grande parte devido a conflitos, incluindo a guerra na Ucrânia, à crescente insegurança alimentar, às ameaças de fome causadas pelo clima e outros fatores e às cheias devastadoras no Paquistão.

Em todo o mundo, um ressurgimento de surtos de doenças, incluindo a cólera e o sarampo, traz um perigo adicional para as crianças em situações de emergência.

Os efeitos prolongados da pandemia da Covid-19 e as perturbações e instabilidade económica globais, incluindo a inflação e o custo crescente dos alimentos e do combustível, tiveram um impacto devastador na vida e no bem-estar de milhões das crianças mais vulneráveis do mundo.

As alterações climáticas estão também a agravar a escala e a intensidade das emergências. Os últimos 10 anos foram os mais quentes de que há registo e o número de catástrofes relacionadas com o clima triplicou nos últimos 30 anos.

Hoje em dia, mais de 400 milhões de crianças vivem em zonas de risco hídrico elevado ou extremamente elevado.

Ao mesmo tempo, as crianças estão a atravessar as fronteiras em número recorde, acompanhadas pelas suas famílias, separadas delas, ou não acompanhadas. No total, cerca de 37 milhões de crianças em todo o mundo estão deslocadas devido a crises múltiplas – um número de crianças deslocadas a que não se assistia desde a II Guerra Mundial.

“Os impactos devastadores das alterações climáticas são uma ameaça sempre presente para as crianças”, disse Russell.

“É por isso que estamos a dar prioridade à adaptação ao clima e à construção de resiliência como parte da nossa resposta humanitária. Isto vai ajudar-nos a alcançar as crianças que vivem as crises de hoje, ao mesmo tempo que as apoia e às suas comunidades a prepararem-se para as que ainda estão por vir”, sublinhou a responsável do UNICEF.

Para a agência da ONU, colocar as organizações nacionais e locais no centro das operações humanitárias é uma estratégia-chave na resposta humanitária da UNICEF.

Os principais resultados em 2022, segundo a organização, foram possíveis graças às parcerias da UNICEF, incluindo com equipas humanitárias nacionais, de agências da ONU, da sociedade civil e de organizações não-governamentais, assim como socorristas nacionais e locais e parceiros para recursos.

Os resultados incluem 23,8 milhões de crianças vacinadas contra o sarampo, 2,6 milhões de crianças tratadas contra a subnutrição aguda grave e 28 milhões de crianças com acesso à educação formal ou não formal, incluindo a aprendizagem precoce, entre outras ações.

Com as necessidades humanitárias a um nível sem precedentes, o UNICEF está a apelar aos parceiros para que aumentem o apoio à resposta humanitária que salva vidas de crianças, maximizando a flexibilidade deste financiamento, dando prioridade à antecipação climática e aos esforços de preparação, adotando urgentemente abordagens para a preparação e resposta, e assegurando uma assistência humanitária equitativa e com princípios. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Putin diz que não entregará Snowden aos EUA
Vladimir Putin

(Atualização 25-03-2020) EUA dizem a Putin que há base legal para expulsar Snowden e Putin diz que não entregará Snowden aos EUA porque o jovem de 30 anos não cometeu Read more

CIA espiou representações da União Europeia nos EUA
Parlamento Europeu

União Europeia espera explicações de Washington sobre alegada espionagem. A União Europeia indicou que questionou as autoridades norte-americanas sobre a alegada espionagem a instituições europeias e disse que espera uma Read more

Dilma Rousseff critica incidente com avião de Morales na Europa
Dilma Rousseff

A presidente Dilma Rousseff declarou, que está "indignada" com o incidente envolvendo o presidente boliviano, Evo Morales, que na véspera teve seu avião impedido de cruzar o espaço aéreo de Read more

Snowden continua em Moscovo apesar de ofertas de países latinos
Manif de apoio a snowden em Paris

(Foto: Manif de apoio a Snowden em Paris) - Casa Branca adverte que Snowden não deverá viajar a outro país além dos EUA A Casa Branca advertiu que Edward Snowden Read more

Washington Post foi vendido ao fundador da Amazon
the washington post

Fundador da Amazon compra jornal The Washington Post por U$250 milhões O conglomerado The Washington Post anunciou nesta segunda-feira que vendeu suas atividades de edição, incluindo o jornal de mesmo Read more

Brasileiro detido em Londres do caso Snowden leva o caso à Justiça
caso snowden

O brasileiro companheiro do jornalista que publicou documentos secretos americanos vazados pelo fugitivo Edward Snowden abriu uma ação judicial contra sua detenção pelas autoridades britânicas, anunciou o editor do jornal Read more