• Qui. Jul 7th, 2022

Volodymyr Zelensky diz que já não vai insistir na adesão da Ucrânia à NATO

Volodymyr-Zelensky

Num outro sinal de abertura a negociações com Moscovo, durante uma entrevista ao canal televisivo norte-americano ABC, Zelensky disse estar disponível para um “compromisso” sobre o estatuto dos territórios separatistas no leste da Ucrânia, cuja independência o Presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu unilateralmente, pouco antes de lançar o ataque militar.

“Quanto à NATO, moderei a minha posição sobre esta questão há algum tempo, quando percebi que a NATO não estava pronta para aceitar a Ucrânia”, disse o líder ucraniano na entrevista transmitida na noite de segunda-feira.

“A Aliança tem medo de tudo o que seja controverso e de um confronto com a Rússia”, explicou Zelensky, acrescentando que não quer ser o Presidente de um “país que implora de joelhos” por uma adesão à NATO.

Por várias vezes, Putin disse que a adesão da Ucrânia à NATO constituía uma ameaça para os interesses de Moscovo, tendo exigido ao Ocidente que não expandisse a sua zona de influência militar junto das suas fronteiras.

O Presidente russo também reconheceu as duas autoproclamadas repúblicas separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, exigindo agora que Kiev também as reconheça.

Questionado sobre esta exigência russa, durante a mesma entrevista televisiva, Zelensky disse estar aberto ao diálogo.

“Estou a falar de garantias de segurança. Penso que quando se trata destes territórios ocupados temporariamente (…), que só foram reconhecidos pela Rússia, (…) podemos discutir e chegar a um compromisso sobre o futuro destes territórios”, explicou o líder ucraniano.

“O importante para mim é como vão viver as pessoas que estão nestes territórios e que querem fazer parte da Ucrânia”, acrescentou Zelensky, considerando que a questão é “complexa”.

E concluiu: “Esse é outro ultimato e nós rejeitamos ultimatos. O que é necessário é que o Presidente Putin comece a falar, inicie um diálogo, em vez de viver numa bolha”.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo os mais recentes dados da ONU, fez pelo menos 406 mortos e mais de 800 feridos entre a população civil e causou a fuga de mais de dois milhões de pessoas para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que está a responder com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e financeiras a Moscovo.

Vladimir Putin justificou a “operação militar especial” na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Israel exige pedido de desculpas após Lavrov comparar Zelensky a Hitler
Israel-exige-pedido-de-desculpas-apos-Lavrov-

O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, exigiu um pedido de desculpas do ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, na sequência da comparação feita por este durante uma entrevista ao canal Read more

Presidente ucraniano pediu a Marcelo “investigação completa e imparcial”
presidente-de-ucrania

Marcelo Rebelo de Sousa, conversou com o homólogo da Ucrânia sobre o homicídio do cidadão ucraniano nas instalações do SEF, tendo Volodymyr Zelensky pedido a Portugal para "garantir uma investigação Read more

Ucrânia: Solidariedade luso-ucraniana enche camião em Gaia e parte para a Polónia
Solidariedade-luso-ucraniana

Um camião com mantimentos reunidos no Seminário do Cristo Rei, em Vila Nova de Gaia, parte hoje rumo à fronteira da Polónia com a Ucrânia para ajudar os refugiados e Read more

Putin disse “claramente” a Macron que não procura um confronto
Vladimir-Putin-28-01-2022

Ucrânia : o Presidente russo disse "muito claramente" ao seu homólogo francês que não procura uma confrontação na Ucrânia, anunciou a presidência francesa, segundo a qual os dois líderes concordaram Read more

Show Buttons
Hide Buttons