• Ter. Dez 6th, 2022

Extrema-Esquerda está a perder a vergonha de assumir o não respeito pela democracia

covid19-25abril2020
Share This !

Segundo o MSN Noticias, o deputado comunista António Filipe sublinha que “não é nova a ambição da Extrema-direita portuguesa de acabar com as comemorações do 25 de Abril na Assembleia da República” e que “o próprio Cavaco Silva insinuou essa possibilidade”.

Não há paciência que aguente tamanha desonestidade intelectual vinda da parte daqueles que deveriam informar em vez de doutrinar.

Cravos e Champagne e o povo em confinamento!
“Faz o que eu digo e não faças o que eu faço”. O Governo não só falha no exemplo, como incita ao desrespeito pela lei.

Seria bom de relembrar ao deputado comunista António Filipe, que não há nenhuma Extrema-direita no Parlamento português, e nem pode haver. É a própria Constituição Portuguesa que o diz. Exige-se seriedade.

No artigo 46º – Liberdade de Associação diz assim: “Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares, nem organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista, bem como o artigo 8° da Lei dos Partidos”. (ler mais aqui)

Em contrapartida, a Extrema-Esquerda está presente no Parlamento português!

No passado dia 19 de setembro 2019, a União Europeia colocou Comunismo e Nazismo em pé de igualdade, depois de aprovar no Parlamento Europeu uma resolução condenando ambos os regimes ditatoriais por terem cometido “genocídios e deportações e foram a causa da perda de vidas humanas e liberdade em uma escala até agora nunca vista na história da humanidade”.

A resolução Importance of European remembrance for the future of Europe contou com 535 votos a favor, 66 contra e 52 abstenções, noticia o jornal espanhol ABC esta terça-feira.

Apesar do significado histórico, esta resolução passou despercebida pela maioria, ainda que este seja tema de debate recorrente entre os historiadores desde a queda da União Soviética há três décadas.

De acordo com o ABC, o jornalista polaco Ryszard Kapuscinski chegou a essa conclusão em 1995: “Se pudermos estabelecer a comparação, o poder destrutivo de Estaline era muito maior.

A destruição levada a cabo por Hitler não durou mais de seis anos, enquanto o terror de Estaline começou na década de 1920 e prolongou-se até 1953.”

O debate alcançou o seu auge em 1997, com a publicação do “Livro Negro do Comunismo” que foi escrito por um grupo de historiadores sob a direção do investigador francês Stéphane Courtois, que se esforçaram por fazer um balanço preciso e documentado das verdadeiras perdas humanas do comunismo.

Os resultados da ditadura comunista foram esmagadores: 150 milhões de mortos, mais do que o valor atribuído por esses mesmos historiadores ao regime de Hitler: o genocídio terá feito cerca de 6 milhões de vítimas.

Apesar de tudo, estes números não são uma novidade. Outros investigadores, como Zbigniew Brzezinski, Robert Conquest, Aleksandr Solzhenitsyn e Rudolph Rummel, já se tinham interessado anteriormente pelo Gulag, a fome causada por Estaline na Ucrânia e as deportações em massa dos dissidentes do regime soviético.

Uma das diferenças entre os dois regimes é que o Gulag soviético foi usado para punir e eliminar dissidentes políticos, com o objetivo de transformar as estruturas socioeconómicas do país e promover a coletivização e a industrialização.

Os nazis, por seu lado, usavam os campos de concentração principalmente para extermínio de vários grupos étnicos, políticos e sociais.

O regime nazi foi culpado do genocídio de judeus, ciganos, homossexuais e comunistas.

A resolução aprovada pelo Parlamento Europeu é bastante incisiva, nela se apelando, nomeadamente “a uma cultura comum da memória que rejeite os crimes dos regimes fascista e estalinista e de outros regimes totalitários e autoritários do passado como forma de promover a resiliência contra as ameaças modernas à democracia, em particular entre a geração mais jovem”.
(Antonio J.)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
25 de abril Milhares de pessoas reunidas no Largo do Carmo
25 de Abril

Milhares de pessoas estavam hoje reunidas no Largo do Carmo, em Lisboa, para a evocação ao capitão de Abril, Salgueiro Maia, promovida pela Associação 25 de Abril. Cravos vermelhos, bandeiras Read more

A Extrema Esquerda na Europa, entre protesto e terror
extrema-esquerda

(Atualização 28-01-2021) ARTE TV revela uma radiografia dos movimentos europeus de Extrema-esquerda que escolhem a violência como modo de ação. Encontro com observadores (cientistas políticos, policiais, psicólogos) e defensores dessa Read more

Greta Thunberg: o Mundo não te odeia e não te quer mal nenhum
greta_thunberg

Querida Greta Thunberg, esta é a minha mensagem para ti... O Mundo não te odeia. O Mundo não te quer mal nenhum nem te culpa de nada. A raiva que Read more

Parlamento Europeu aprovou resolução que condena os regimes nazi e comunista
regimes-comunista-nasi-3

A União Europeia colocou Comunismo e Nazismo em pé de igualdade, depois de o Parlamento Europeu ter aprovado em setembro uma resolução que condena os dois regimes ditatoriais. No passado Read more

André Ventura, o homem que não tem papas na língua e “diz não” ao politicamente correcto
andre-ventura

André Ventura, não tem papas na língua. Não é politicamente correcto. Está-se pouco lixando para os Focus Group. É intuitivo. É assertivo. É contundente. Sabe comunicar e Chega a todos. Read more

Não há nenhuma Extrema-direita em Portugal
politica-e-partidos

Já estou com os cabelos em pé de tanto que vejo repetido, as palavras "Extrema-direita" colada àqueles que não defendem os "valores progressistas" da Esquerda radical. Não há paciência que Read more