• Ter. Jul 5th, 2022

Não é a primeira vez que o Polígrafo, tenta colar a um partido uma ideologia que não defende

ByTeam

Fev 3, 2020 , ,
fake-news10

Não é a primeira vez que o Polígrafo, a partir de apenas um vídeo ou imagem, tenta colar a um partido uma ideologia que não defende. Na minha crónica “O Polígrafo tem de ir ao Polígrafo” já o tinha denunciado com o VOX (leia aqui).

Repetiram a mesma artimanha com o partido CHEGA ao detectarem um indivíduo a fazer, supostamente, a saudação nazi num jantar do partido. Mas desde quando é que por haver alguém que vai ao engano, isso significa que o partido partilha esses ideais?

Vou lembrar que, com tamanha desinformação constante, ataques sucessivos, manipulação de discursos, adulteração e distorção de factos numa campanha difamatória sem igual da comunicação social, por parte de comentadores políticos (veja aqui Constança Cunha e Sá a combinar “fazer frente ao CHEGA”) e políticos, é perfeitamente normal que haja muita gente equivocada sobre o que defende o CHEGA. Por isso, até me surpreende é que não haja muito mais gente enganada por aí.

Como diz o Polígrafo – mas não faz o que diz -, vamos aos factos, que eu ao contrário deles, fui averiguar:

1 – O gesto que podia efectivamente ser feito por um patriota (a fazer saudação patriota romana), ex-combatente ou um infiltrado da esquerda, foi intencional e era mesmo uma saudação nazi;

2- O indivíduo foi confrontado logo ali – por pessoas que partilhavam a mesma mesa – num total desagrado quer pela atitude quer pelo discurso profundamente radicalizado durante o jantar e que motivou críticas severas e desconforto por parte daquele grupo (informação dada por um amigo que estava nessa mesa);

3 – O partido tomou imediatamente providências pedindo ajuda no sentido de identificar o indivíduo em causa e poder agir em conformidade tendo-lhe eu mesma fornecido esses dados conseguidos com a minha pesquisa;

4 – Tratou-se efectivamente de um caso isolado, impossível de controlar ou evitar;

5 – Um acto isolado não define um partido.

Agora pergunto a esse órgão de desinformação: Porque não se faz o mesmo com o gesto do braço em riste com punho fechado? Em que difere o Comunismo do fascismo?

O braço de punho fechado é o símbolo soviético de Lenine, utilizado na Revolução Russa (1917-1921) como saudação vermelha. Vemo-lo ainda hoje em todos os comícios do PCP, BE e PS. Em Portugal aceita-se os punhos fechados ao som do hino da internacional comunista nos encontros da extrema-esquerda.

Isso incomoda alguém? Não. Muito estranho. Ou talvez não.
Dizia João Brás num comentário no Facebook: “Esta é a resposta de um Gustavo Sampaio director e funcionário do Poligrafo quando questionado se a noticia sobre a festa dos nazis numa reunião no Porto ( um individuo de braço estendido) não era exagerada.
Fala de vários motivos porque não gosta do Chega, e conclui com o parágrafo que se lê aqui:”

E continua: “Um individuo que escreve e pensa assim não é só funcionário de uma agenda ideológica, é outras coisas. Diz-me um bom amigo que se queremos pensar com a lógica deles damos em malucos. Porque isto não tem lógica, nem argumentos racionais, nem factos. É apenas o funcionário do partido a defender a doutrina do politburo”.

Vamos lá ser coerentes: se é para condenar, condene-se tudo e não só o que nos dá jeito. E chamar os “bois pelos nomes”, também: BE e PCP não são esquerda moderada, logo é preciso acrescentar “extrema” sempre que se fala neles. “Extrema-Esquerda” porque defendem o totalitarismo de Estado, apoiam ditadores e até emitem votos de pesar no Parlamento quando estes morrem. Sejamos sérios.

Em contrapartida, é preciso urgentemente repor a verdade e dizer que em Portugal NÃO HÁ partidos aprovados pelo Constitucional que sejam FASCISTAS. Logo, não temos nenhuma “extrema” à direita em terras lusas. Mais: querer controlo de imigração não é extrema-direita de coisa nenhuma.

Quem foi o idiota que inventou isto? Extrema-direita, caso existisse, seria aquela que transformaria um país numa anarquia, onde a liberdade individual e colectiva seria absoluta. Perceberam? O extremo à direita é o oposto do extremo à esquerda: esquerda radical versus totalitarismo; direita radical versus anarquismo. Fascismo é um subproduto do socialismo. Estudem.

Mas vamos lá analisar – já que a imigração é a justificação do jornalixo para chamarem de “extrema” – o que diz o Chega sobre imigração e racismo: https://partidochega.pt/declaracao-de-principios/

Porquê então, tanto esforço em desacreditar junto da opinião pública um partido que nada tem de xenófobo? Medo, muito medo dos políticos e serviçais do sistema com as sondagens a subir.

O Establishment não tem medo da xenofobia, que sabem ser inexistente no André. Tem claramente receio da sua ascensão e, por isso, tal como nos EUA e no Brasil, da noite para o dia transformaram milhões de eleitores em “fascistas e xenófobos”, para travar desesperadamente essa ascensão semeando o “terror ideológico”.
Vai correr mal para eles. Vai correr bem para o país. Portugal está a “acordar”.

O que esta comunicação social está a fazer na pessoa de alguns jornalistas e comentadores políticos nas TV´s é crime de difamação. E num Estado de Direito deve ser severamente punido.

O CHEGA tem de começar a processar sem dó nem piedade todos os “jornalixos” e “comentadeiros políticos de televisão”, obrigando-os a fundamentar sempre que falam e a repor toda a verdade sempre que falham. Porque os jornalistas não fazem opinião, informam.

E mentir, manipular, distorcer, inventar não é informar. É crime de difamação.
(Cristina Miranda)


União Europeia preocupada com restrições ao jornalismo durante pandemia

Josep Borrell, Alto-Representante da UE para os Negócios Estrangeiros, enfatizou que “em muitos países” os jornalistas “precisam enfrentar legislação restritiva, às vezes atribuída à emergência covid-19, que restringe a liberdade de expressão e de imprensa”.

O responsável destacou que estão a ocorrer bloqueios da internet e o encerramento de “sites” e criticou também as campanhas de difamação, pressões financeiras e ataques dos Governos ou de meios de comunicação partidários que “frequentemente” forçam os jornalistas à autocensura.

Ler mais…

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Orçamento do Estado 2022: CDS, Chega e IL criticam falta de ambição do Governo PS
orcamento-estado-portugal-2022

Os partidos CDS-PP, Chega e IL apontaram a falta de ambição na proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) quanto ao crescimento económico, insistindo na comparação com Read more

André Ventura promete “olho por olho, dente por dente” contra perseguições
andre-ventura-17-01-2021

O presidente do Chega, prometeu uma luta "olho por olho e dente por dente" contra aqueles que o atacarem, o perseguirem ou humilharem, sublinhando que "o tempo de brincarem" com Read more

O partido Chega vai questionar o Governo sobre “despesas supérfluas” da Presidência da UE
andre-ventura-belem

Governo está a utilizar "as práticas que tão bem lhe são conhecidas" e que "levaram o país à bancarrota" num "passado muito próximo", diz André Ventura. O deputado do partido Read more

O partido Chega apela ao voto interno e traça como objetivo governar Portugal
andre-ventura

"Nós devemos estabelecer novos objetivos e eu não tenho medo de vos dizer quais são: nós devemos querer o Governo de Portugal", disse André Ventura em Portalegre. André Ventura, presidente Read more

Show Buttons
Hide Buttons