• Ter. Dez 6th, 2022

“Vivemos uma espécie de intoxicação”. Como é que se pode saír disto?

parlamento-portugues
Share This !

Procuradoria Geral da República. Tribunal de Contas. Banco de Portugal… Em todas estas instituições o PS assegurou o controlo. De forma brutal às vezes. E todos os dias, em cargos superiores e intermédios da administração pública esse assalto prossegue.

Tudo isto lembra os anos Sócrates. Mas a situação é, em 2020, politicamente muito mais grave do que foi com Sócrates. Porque agora não há escrutínio. Desta vez não vai desembarcar nenhuma troika em Lisboa a querer vasculhar contabilidades criativas; não existem investigações criminais a ameaçar a figura do primeiro-ministro e, ainda mais importante, não existe alternativa política.

Ao contrário do que acontecia em 2011, a oposição à direita não tem agora líder nem apoios; o BE e o PCP a quem foi entregue o monopólio do protesto estão desde 2016 mudos e quedos à espera da sua parte no assalto ao aparelho de estado e a UE não só agora não nos pede contas como, pelo contrário, vai pagar-nos algumas nos próximos anos.

A isto junta-se que, em 2020, em Belém, está Marcelo que vive em função da popularidade e não Cavaco Silva, que vivia em função do que achava que devia fazer.

Um dos momentos-símbolo deste país ao dispor do PS aconteceu esta semana quando Marcelo Rebelo de Sousa ao dar posse ao novo presidente do Tribunal de Contas (TdC) começou a invocar a Constituição para justificar a não recondução do anterior presidente daquele tribunal. Dão-se alvíssaras a quem encontrar na Constituição o artigo invocado por Marcelo Rebelo de Sousa para justificar a não recondução de Vítor Caldeira!

A actualidade tornou-se uma sucessão de absurdos que só se entendem à luz do assalto dos partidos ao aparelho de estado: num dia descobrimos que o país pode ganhar mais seiscentas freguesias (mesmo que não seja imediatamente por causa das autárquicas, lá teremos esse “enorme aprofundamento da cidadania” na discussão do próximo orçamento); no outro somos informados que António Costa e Rui Rio decidiram que os presidentes das Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) previamente escolhidos por eles são eleitos pelos seus pares.

Não, não é uma anedota é mesmo assim: primeiro Costa e Rio escolhem os futuros presidentes e depois têm lugar as eleições para eleger os presidentes já escolhidos! Felizmente que a pátria anda entretida a contar anedotas sobre o Trump e portanto não tem tempo para perceber que a anedota é ela, a pátria.

Já o PCP escolheu muito adequadamente para formalizar a última reivindicação dos comunistas aos seus parceiros socialistas – mais 100 mil funcionários públicos – um jovem deputado cujo curriculum profissional é uma variante do clássico “passageiro do paquete Niassa” pois o deputado em questão além da vida partidária apenas se destaca por ter integrado o Comité Organizador Internacional do 19.º Festival Mundial da Juventude e dos Estudantes (Rússia, 2017) seja isso o que for.

Para que não nos falte nada neste regresso ao pior do passado até temos uma “candidatura ibérica” ao Mundial de Futebol de 2030 que o secretário de Estado do Desporto declarou como “uma coisa absolutamente extraordinária e importante” A criação de mais camadas na administração pública a par de legislação mais intrusiva para as empresas e famílias são à direita e à esquerda as respostas do PS às exigências dos seus parceiros e à voracidade da sua máquina partidária.

Como é que se sai disto? Em primeiro lugar, para se sair disto era necessário que os protagonistas quisessem sair e nenhum deles quer: o PS não quer deixar o governo; Rui Rio não quer ser governo; o BE e o PCP não podem nem querem deixar de apoiar o PS.

Em segundo, convém não esquecer que nos anos de Sócrates se falava de asfixia democrática para dar conta do controlo que então o PS estendia a toda a sociedade. Em 2020, o processo de controlo não é menos intenso mas é mais eficaz: vivemos uma espécie de intoxicação, não se resiste, vamo-nos deixando adormecer.

Em terceiro não sabendo eu como é que se sai disto sei exactamente o que vai acontecer após tal facto: tudo voltará a ser inconstitucional como o professor Marcelo explicará.

E em quarto, embora não seja propriamente uma saída, antes um atalho, que tal encarar a candidatura à autarquia de Lisboa como o primeiro de vários momentos de desmontagem do poder socialista?
(Helena Matos)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Como é que os negocios do Estado português foram conduzidos
paulo_morais

(Atualização 26-03-2020) Como é que os negocios do Estado português foram conduzidos na última década em Portugal Os atores são sempre os mesmos, os atores que andam pelas empresas privadas Read more

PS avança com projectos para combater a corrupção
PS - Seguro

O PS anunciou que procederá ao agendamento potestativo para forçar a apreciação ainda nesta sessão legislativa de três diplomas destinados a combater a corrupção e aumentar a transparência na relação Read more

PS ganha com 31,46% deixando a coligação a três pontos de distância
A. J. Seguro e Francisco Assis

Os socialistas deixam a coligação que suporta o Governo a apenas três pontos, quando estão contadas todas as freguesias. Uma distância inferior à que o PSD deixou o PS em Read more

A perda da confiança dos mercados pode levar Portugal a segundo resgate
Banco de Portugal

O governador do Banco de Portugal defendeu que, mais do que uma saída limpa, Portugal tem de ter "uma saída credível" e que ela se constrói "em relação ao futuro Read more

Os maiores investidores do BES desfizeram-se das ações antes da suspensão em bolsa
Banco Espirito Santo

Os investidores institucionais venderam grandes lotes de ações do BES nas vésperas do anúncio da intervenção do Banco de Portugal no banco, segundo os números oficiais passados aos deputados pela Read more

Supremo Tribunal de Justiça recusou apreciar o pedido de libertação imediata
José Socrates

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) recusou apreciar o pedido de libertação imediata (habeas corpus) de José Sócrates apresentado por um empresário de Guimarães alegando a "falta de interesse em Read more