• Sáb. Dez 10th, 2022

“Agora, o partido PCP dita as leis neste país”

Manuela-Ferreira-Leite
Share This !

OE2021: A aprovação do Orçamento do Estado para 2021 foi o tema abordado Manuela Ferreira Leite, no seu habitual espaço de comentário no canal da TVI.

Manuela Ferreira Leite considerou que a viabilização do Orçamento do Estado é o que “resta da parceria [do Governo] à Esquerda”, salientando que o PCP “já anda cá há muitos anos”, pelo que a abstenção não foi um resultado “obtido de graça”.

“Foi com uma fatura que é pesada não só em termos de Orçamento em termos de números (foram bastantes milhões de euros), mas também no sentido em que este Orçamento é tudo o que não precisávamos”, comentou a social-democrata.

Ferreira Leite argumentou que “um orçamento não é apenas números”, explicando que “há muitas decisões e influências”, nomeadamente para incentivar o crescimento, fomentar ou retrair as decisões dos empresários, que se manifestam através de sinais “importantes”

Os sinais que este Orçamento dá, numa situação de crise e de incerteza, e de apelos ao consenso, (…) deu num acordo feito pelo PS e pelo PCP“, afirmou a comentadora, questionando “quantos países na Europa é que existem em que o Partido Comunista [extrema-esquerda], em que alguns deles serão mais evoluídos e menos retrógados que o nosso“, têm um papel tão importante.

A comentadora concorda que o Governo está refém do PCP. “Penso que qualquer pessoa fará essa observação”. “E essa foi uma situação absolutamente construída deliberadamente pelo primeiro-ministro, vá-se lá saber porquê”, constatou Ferreira Leite, acusando o PS de ter “construído esse consenso quando um dia de manhã disse ‘se eu precisar algum dia do PSD, vou-me embora’”.

Com essa afirmação, António Costa “pôs de lado o PSD e ficou refém do Bloco de Esquerda e do PCP”. E “era óbvio que o BE não ia embarcar numa aventura sem dinheiro e sem nada para dar”.

Manuela Ferreira Leite afirmou ainda, nesse sentido, que o BE “entrou na Geringonça porque era o momento de distribuir” e, portanto, “quando viu que íamos para uma crise em que não havia grandes coisas para distribuir (…) pôs-se de lado”.

Não tendo o PSD, nem o Bloco de Esquerda, o Governo “ficou preso ao PCP. E, portanto, agora, o PCP dita as leis neste país”, observou a antiga ministra das Finanças.

“Se olharmos para o Orçamento estão lá medidas verdadeiramente inaceitáveis até do ponto de vista da situação de crise em que estamos”, considerou, apontando a ausência de medidas de incentivo às empresas e de redução de impostos.

“Vejo com imensa preocupação o facto de o ministro das Finanças ter dito que uma das medidas que ele tem como redução de impostos é a redução da retenção na fonte. Espero que as pessoas não caiam neste engodo”, criticou ainda.

O Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) foi aprovado esta quinta-feira, no Parlamento, apenas com os votos favoráveis do PS, e com a abstenção do PCP, PEV, PAN e das duas deputadas não inscritas. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Passos Coelho critica a troika
Pedro Passos Coelho

Pedro Passos Coelho insurgiu-se contra a manifestação pública de divergências entre as instituições da troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu). Falando à margem de uma visita à Feira Read more

Falta de condições para pagar subsídios
passos coelho subsidios

O primeiro-ministro disse hoje que os subsídios de férias as trabalhadores da Função Pública não vão ser pagos este mês porque "não há ainda condições para que [esse pagamento] pudesse Read more

Fim do euro seria um erro dramático sublinhou Cavaco Silva
CAVACO SILVA

O Presidente da República, Cavaco Silva, defende numa entrevista ao programa da SIC Notícias "Europa XXI", emitido hoje, confiar "muito na sobrevivência do euro" e considerou que seria "um erro Read more

Durão Barroso não fez nada na Comissão Europeia diz Ministra francesa
Durão Barroso

A Ministra do Comércio Externo francês, Nicole Bricq, considera que José Manuel Durão Barroso "não fez nada durante o mandato", na polémica das últimas semanas entre Paris e o presidente Read more

Paulo Portas apresenta demissão do Governo
Paulo Portas

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou hoje o seu pedido de demissão ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A decisão "é irrevogável", adianta o ministro de Read more

Governo de coalizão anuncia acordo para sair da crise
Governo de coalizão

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho conseguiu, nesta sexta-feira, um acordo com seu sócio de coalizão e ministro das Relações exteriores demissionário, Paulo Portas, cujos detalhes serão revelados mais tarde, Read more