• Qua. Jan 27th, 2021

“Antonio Costa, PS e BE estão de cabeça perdida e a mentir aos portugueses”

rui_rio_partido_psd

Rui Rio reagiu, na segunda-feira, à coligação entre o PSD e o Chega nos Açores.

O líder do PSD apontou o dedo, esta segunda-feira, ao primeiro-ministro, ao Partido Socialista e ao Bloco de Esquerda de mentirem aos portugueses ao acusarem-no de ter ultrapassado a “linha vermelha” devido à coligação do PSD Açores e o Chega, para formar o governo da região.

“Costa, PS e BE estão de cabeça perdida e estão a mentir aos portugueses. António Costa está a mentir quando diz que há um acordo nacional.

O acordo a que se chegou foi nos Açores”, atirou Rui Rio, reiterando que “não há nenhum acordo nacional nem com o Chega, nem com o PPM, nem Iniciativa Liberal, nem se quer, com o CDS”.

Para o presidente dos sociais-democratas, nos Açores, o Chega moderou-se ao propor medidas que não são consideradas fascistas, por isso houve negociação.

Meetic

No futuro, no continente, se o Chega se moderar pode haver hipóteses de diálogo. Nos Açores, o Chega moderou-se“, explicou, a partir da sede do partido, após uma reunião com a CIP, por videoconferência.

Questionado sobre as medidas que possibilitaram o acordo, Rui Rio revela que foram quatro e que considera que nenhuma é fascista. Aliás, está mesmo de acordo com elas.

“O que foi decidido nos Açores para que o Chega vote a favor das propostas do PSD foi o seguinte: fazer uma proposta de redução dos deputados regionais, reduzir a subsidiodependência nos Açores, criar um gabinete de luta contra a corrupção, aumentar a autonomia regional.

Isto é fascista? Com estes pontos estou de acordo”, sublinhou. (Ag.Lusa)


A “geringonça” da Extrema-Esquerda

António Costa, depois de ter sido derrotado nas eleições de 4 de Outubro de 2015, sem ter tido a honestidade elementar de durante a campanha eleitoral o anunciar como possibilidade, decide escapar-se à sua própria morte política e formar o “governo da geringonça” – um governo formado pelo Partido Socialista, mas apoiado no Parlamento pelo Partido Comunista e pelo Bloco de Esquerda.

Na verdade, a instigação para este governo inédito também partiu do Partido Comunista, juntamente com o grego, o único partido estalinista pró-soviético après la lettreque resta na Europa, e o Bloco de Esquerda, uma amálgama que reúne a extrema-esquerda trotskista e pós-moderna.

Se António Costa apenas queria algo que preservasse a sua carreira política pessoal, os comunistas estavam desesperados por impedir um novo mandato do governo de centro direita que salvara o País da bancarrota socialista e o pusera no caminho da recuperação desde 2013, evitando contra todas as expectativas uma ruptura social e um colapso nacional como o que houve na Grécia.

Algumas das reformas estruturais feitas pelo governo de centro direita, e que continuariam no novo mandato, comprometiam seriamente a manutenção da influência do Partido Comunista.

Por exemplo, as subconcessões de exploração a privados na área dos transportes metropolitanos assustava mortalmente os comunistas porque retirariam eficácia à sua máquina sindical que depende muito do controlo dos transportes na capital portuguesa.

Já o Bloco de Esquerda, depois do sucesso eleitoral do SYRIZA na Grécia e os avanços importantes do Podemos em Espanha, julgou ser essa a sua grande oportunidade para aceder ao poder do Estado e consolidar a sua base eleitoral, sempre precária, com a estabilização de uma clientela. Tudo seria preferível à continuação do governo do PSD/CDS. E assim foi.

O governo da “geringonça” assenta numa fraude – a de que é possível enganar toda a gente para sempreLer mais

Facebook Comments
Presidente do PSD aponta “esmagamento da esquerda” e vitória de candidato moderado
rui-rio-24-01-2021

Rui Rio, presidente do PSD, falou num "esmagamento claro da esquerda e numa vitória fortíssima do candidato moderado" e chamou a atenção para o segundo lugar alcançado por André Ventura Read more

Líder do PSD diz que Van Dunem está em colocar em causa dignidade política
rui-rio

"O empenho do Governo em defender o procurador José Guerra é maior do que o da própria ministra em defender a sua dignidade no exercício do cargo. Dá muito que Read more

Novo Banco: partido PSD quer ouvir no parlamento João Leão, Centeno e Lagarde
rui-rio

O PSD entregou uma lista de 76 entidades que quer ouvir no parlamento sobre o Novo Banco, entre elas o ministro das Finanças, João Leão, o ex-ministro Mário Centeno e Read more

Rui Rio: “É surrealista termos de cumprir um contrato que não conhecemos”
Rui-Rio-18-12-2020

O partido PSD vai avançar com projeto-lei para conhecer contratos públicos onde o Estado seja chamado a pagar. "O contrato de venda do Novo Banco é secreto", diz Rui Rio, Read more

Show Buttons
Hide Buttons