• Ter. Mai 11th, 2021

Governo aprova sete diplomas para Nova Geração de Políticas de Habitação

Lisboa

O Conselho de Ministros aprovou sete diplomas do pacote legislativo da Nova Geração de Políticas de Habitação, com uma estratégia “pensada nas pessoas e não nas casas”, respondendo às carências habitacionais e promovendo o arrendamento acessível.

Para acabar com as cerca de 26 mil famílias identificadas em situação de carência habitacional, o Governo aprovou o programa Primeiro Direito, pretendendo “comemorar os 50 anos do 25 de Abril já sem famílias carenciadas em Portugal”, avançou o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, recordando assim o compromisso já assumido pelo primeiro-ministro, na segunda-feira.

Na conferência de imprensa após a reunião do Conselho de Ministros de hoje, João Matos Fernandes reforçou que durante os próximos sete anos o Executivo vai investir para que “as carências habitacionais sejam muito minimizadas”, através de programas definidos em cada município, cujo apoio “pode ir até 60% a fundo perdido”, privilegiando-se “os investimentos que forem feitos para arrendamento em reabilitação de imóveis em detrimento da construção para aquisição”.

Além da preocupação com as famílias mais carenciadas, o Governo pretende dar resposta a “todos quantos estão em falha de mercado”, através do Programa de Arrendamento Acessível, que visa promover uma oferta alargada de habitação para arrendamento a preços reduzidos, compatível com os rendimentos das famílias.

Somando à oferta pública de habitação a partir do Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado, o Programa de Arrendamento Acessível visa mobilizar os proprietários privados para uma oferta de habitação a rendas que sejam “no máximo de 80% do valor de referência” do mercado de arrendamento, informou o ministro do Ambiente, explicando que os contratos têm que ser celebrados por um período mínimo de três anos.

“A taxa de esforço das famílias não pode ser para o arrendamento acessível nem inferior a 10% nem superior a 35%”, afirmou o governante.

Facebook Comments
Preço médio do arrendamento de casas em Portugal aumentou 37% em 2018
imobiliario

O preço médio das casas em Portugal em 2018 aumentou 37% no arrendamento face a 2017, fixando-se em 1.106 euros, e 25% no mercado de compra e venda, situando-se em Read more

Faltam mais de 70 mil casas em Portugal para atenuar problema da habitação
casas-predios

Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, afirmou que faltam 70 mil casas em Portugal para fazer face aos problemas habitacionais do país. Em comunicado, o dirigente Read more

FMI alerta risco para a economia na sincronização global dos preços da habitação
apartamentos

O FMI diz que há elevada sincronização nos preços da habitação a nível global, numa análise a 40 países, incluindo Portugal, considerando que isso poderá facilitar a propagação a nível Read more

Despesa das famílias portuguesas desce em cinco anos
economia

As famílias portuguesas gastaram em média menos em 2015 e 2016 do que cinco anos antes, tendo descido o peso das despesas com alimentação e aumentado os custos com a Read more

Show Buttons
Hide Buttons