• Ter. Dez 6th, 2022

Investigações ao BES devem estar concluídas até ao início de 2016

Banco de Portugal
Share This !

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, afirmou hoje que as fases de investigação das averiguações em curso no decorrer da auditoria forense ao BES devem estar concluídas no máximo até ao início de 2016.

“Existe a expectativa de as respetivas fases de investigação serem concluídas, progressivamente, em 2015 e início de 2016”, disse o responsável, em referência às “grandes linhas das averiguações em curso”, na sua intervenção inicial na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES.

E realçou: “No caso de se confirmarem os indícios que determinaram a abertura dos processos, serão deduzidas as respetivas acusações contra os responsáveis”.

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, considerou hoje que, à luz dos factos agora conhecidos, é possível dizer que as consequências da atuação dos gestores do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES) são “lamentáveis”.

“É possível hoje dizer que as consequências da atuação dos gestores desse grupo são lamentáveis”, afirmou a governante na sua audição na comissão parlamentar de inquérito ao caso BES/GES.

A ministra acrescentou que também “são lamentáveis as falências de empresas de menor dimensão”, mas que “não faz parte do leque de instrumentos que o Governo tem ao seu dispor apoiar empresas do setor não financeiro”.

Questionada sobre o conteúdo de uma reunião que teve com Ricardo Salgado em 2014, ainda antes do colapso do BES, Maria Luís Albuquerque voltou a dizer, tal como havia feito na sua primeira audição na comissão, que “o que foi solicitado é se havia disponibilidade de financiamento da Caixa Geral de Depósitos (CGD) ao ramo não financeiro do GES”.

E acrescentou: “O que os representantes do GES, nomeadamente, Ricardo Salgado, me transmitiram eram as dificuldades financeiras da área não financeira. Nunca Ricardo Salgado nos pediu, ao Estado português, para usar o mecanismo de recapitalização dos bancos”.

Confrontada com uma questão do deputado do PSD Carlos Abreu Amorim sobre a afirmação de Ricardo Salgado no parlamento de que a única coisa que o GES precisava era de tempo, a governante jogou ao ataque.

“Neste caso, como noutros que me ocorrem, tempo é dinheiro. E isso é que aparentemente não havia”, destacou.

Relativamente à exposição do BES ao GES, a governante sublinhou que a informação que sempre lhe chegou do supervisor bancário é que tinham sido tomadas medidas para isolar o banco do grupo.

“A informação que existia pública sobre o BES e o GES era do meu conhecimento. Mas havia informação que só o Banco de Portugal enquanto supervisor é que tinha. Sempre confiei no Banco de Portugal, porque é ao Banco de Portugal que cumpre essa responsabilidade”, vincou.

“Sabemos hoje que, caso as medidas do Banco de Portugal tivessem sido cumpridas, teriam evitado a contaminação do banco”, assinalou. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Passos Coelho critica a troika
Pedro Passos Coelho

Pedro Passos Coelho insurgiu-se contra a manifestação pública de divergências entre as instituições da troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu). Falando à margem de uma visita à Feira Read more

Falta de condições para pagar subsídios
passos coelho subsidios

O primeiro-ministro disse hoje que os subsídios de férias as trabalhadores da Função Pública não vão ser pagos este mês porque "não há ainda condições para que [esse pagamento] pudesse Read more

Fim do euro seria um erro dramático sublinhou Cavaco Silva
CAVACO SILVA

O Presidente da República, Cavaco Silva, defende numa entrevista ao programa da SIC Notícias "Europa XXI", emitido hoje, confiar "muito na sobrevivência do euro" e considerou que seria "um erro Read more

Durão Barroso não fez nada na Comissão Europeia diz Ministra francesa
Durão Barroso

A Ministra do Comércio Externo francês, Nicole Bricq, considera que José Manuel Durão Barroso "não fez nada durante o mandato", na polémica das últimas semanas entre Paris e o presidente Read more

Paulo Portas apresenta demissão do Governo
Paulo Portas

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou hoje o seu pedido de demissão ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A decisão "é irrevogável", adianta o ministro de Read more

Governo de coalizão anuncia acordo para sair da crise
Governo de coalizão

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho conseguiu, nesta sexta-feira, um acordo com seu sócio de coalizão e ministro das Relações exteriores demissionário, Paulo Portas, cujos detalhes serão revelados mais tarde, Read more