• Sex. Set 29th, 2023

Israel e Palestina: Paulo Rangel pede que se condenem “extremismos dos dois lados “

Share This !

Rangel (eurodeputado PSD) criticou a “complacência para com a violência” face à escalada de tensões entre Israel e Palestina e defendeu a necessidade de “condenar os extremismos dos dois lados de igual maneira”.

“É preciso realmente ter em atenção que nós não podemos ser parciais. Temos de condenar os extremismos dos dois lados de igual maneira”, argumentou o eurodeputado social-democrata, criticando o apoio manifestado pelo “espaço ocidental” para com os “extremistas do Hamas”, que controla a faixa de Gaza.

Para Paulo Rangel, que intervinha no ‘webinar’ “Relações Externas e Direitos Humanos”, organizado pelo gabinete português do Parlamento Europeu, “o Hamas é uma organização terrorista de uma violência absolutamente inaceitável” e a “compreensão pela violência” é igualmente “uma coisa inaceitável”.

O social-democrata, que faz parte da comissão dos Assuntos Externos do Parlamento Europeu, disse mesmo notar “alguma complacência para com a violência”, algo que considerou “letal para qualquer processo de paz”.

Ao darmos alguma razão às fações extremistas palestinianas, o que estamos a fazer é legitimar as fações extremistas de Israel e basicamente foi isso que aconteceu nos últimos 10 anos. Basicamente, nós demos poder argumentativo aos dois extremos”, acrescentou.

A eurodeputada Isabel Santos (PS) lamentou por seu lado a resposta tardia e pouco assertiva da UE, criticando posições “um tanto ao quanto dúbias” que foram tomadas no início, nomeadamente pela presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

Meetic

“Ficámos um pouco aquém. Os EUA tomaram primeiro uma posição, depois nós fomos tomando posição. Penso que era bom a UE, sendo um ‘soft power’ [capaz de influenciar indiretamente o comportamento de outro Estado], poder exercer aqui mais alguma ação diplomática no sentido de levar a um maior diálogo”, considerou Isabel Santos, no mesmo ‘webinar’.

Para a socialista, o disparo de ‘rockets’ por parte do Hamas, que controla a Faixa de Gaza, contra Israel, a 10 de maio, foi “uma reação à expulsão de população muçulmana das suas casas”.

“O povo palestiniano tem passado por momentos absolutamente terríveis. Tenho-me dedicado a acompanhar a evolução no território e temos visto muitos equipamentos financiados pela UE, como escolas e postos de saúde, serem demolidos por Israel. Isto não é aceitável. Quando equipamentos humanitários são destruídos, nós não podemos ficar de baixos cruzados e temos de reagir”, argumentou.

Para Paulo Rangel, contudo, a UE não pode fazer “rigorosamente nada”, a não ser “pressionar os Estados Unidos para pressionarem Israel”, algo que espera que tenha sido feito.

Na quinta-feira, Israel e Palestina anunciaram o cessar-fogo das hostilidades que duravam já há 11 dias e que entrou em vigor às 02:00 locais (meia-noite em Lisboa).

O novo ciclo de violência entre Israel e Gaza causou a morte de pelo menos 232 pessoas no enclave palestiniano, entre as quais 64 menores, e de 12 em território israelita, incluindo dois menores. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Passos Coelho critica a troika

Pedro Passos Coelho insurgiu-se contra a manifestação pública de divergências entre as instituições da troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu). Falando à margem de uma visita à Feira Read more

Falta de condições para pagar subsídios

O primeiro-ministro disse hoje que os subsídios de férias as trabalhadores da Função Pública não vão ser pagos este mês porque "não há ainda condições para que [esse pagamento] pudesse Read more

Fim do euro seria um erro dramático sublinhou Cavaco Silva

O Presidente da República, Cavaco Silva, defende numa entrevista ao programa da SIC Notícias "Europa XXI", emitido hoje, confiar "muito na sobrevivência do euro" e considerou que seria "um erro Read more

Durão Barroso não fez nada na Comissão Europeia diz Ministra francesa

A Ministra do Comércio Externo francês, Nicole Bricq, considera que José Manuel Durão Barroso "não fez nada durante o mandato", na polémica das últimas semanas entre Paris e o presidente Read more

Paulo Portas apresenta demissão do Governo

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou hoje o seu pedido de demissão ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A decisão "é irrevogável", adianta o ministro de Read more

Governo de coalizão anuncia acordo para sair da crise

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho conseguiu, nesta sexta-feira, um acordo com seu sócio de coalizão e ministro das Relações exteriores demissionário, Paulo Portas, cujos detalhes serão revelados mais tarde, Read more