• Qui. Dez 1st, 2022

Marcelo sobre Tancos : “A defesa lá saberá porque não era necessário o meu depoimento”

marcelo
Share This !

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse na que a defesa de Azeredo Lopes, ex-ministro da Defesa e arguido no caso de Tancos, “entendeu que não era necessário o seu depoimento” 🙂

“A defesa entendeu que não era necessário, a defesa lá saberá porque é que não era necessário”, declarou o chefe de Estado, em resposta a questões dos jornalistas durante a inauguração de uma exposição da pintora Paula Rego no Museu da Presidência da República, em Lisboa, noticiou a agência Lusa.

Interrogado sobre o que faria se a defesa de Azeredo Lopes tivesse avançado com um pedido para que testemunhasse no processo de Tancos, que está em fase de instrução, o Presidente da República respondeu: “Se há pessoa que não se inibiu nem coibiu de falar do tema fui eu, ao longo de dois anos e meio, mas a estratégia de cada arguido e de cada advogado de arguido é definida por ele, não é definida por outro”.

Confrontado com o facto de o advogado do ex-ministro da Defesa, Germano Marques da Silva, ter dito esta segunda-feira que ponderou chamar o Presidente da República como testemunha e que só não o fez “por ser uma alta figura de Estado com direito a imunidade e com possibilidade de não responder”, Marcelo Rebelo de Sousa começou por referir que “o arguido e o seu advogado é que definem a estratégia da defesa”.

“Quem define a estratégia da defesa é a defesa, e eu não fui ouvido nem achado, nem antes nem depois, sobre isso”, referiu. “Mas depois ouvi, quando perguntado se achava que era necessário o meu depoimento, ter dito: não, não é necessário. Portanto, a defesa entendeu que não era necessário, a defesa lá saberá porque é que não era necessário”.

Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que não se pronuncia sobre processos judiciais específicos, mas lembrou que em relação ao caso de Tancos tem repetido em sucessivas ocasiões que “tem de se apurar tudo o que aconteceu de alto abaixo, integralmente”, porque essa “é uma exigência da instituição militar, do prestígio da instituição militar, e da própria afirmação da democracia em Portugal”.

O caso do furto do armamento de guerra dos paióis de Tancos foi divulgado pelo Exército a 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a Polícia Judiciária Militar (PJM), em colaboração com elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Loulé. (Ag.Lusa)


Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Passos Coelho critica a troika
Pedro Passos Coelho

Pedro Passos Coelho insurgiu-se contra a manifestação pública de divergências entre as instituições da troika (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu). Falando à margem de uma visita à Feira Read more

Falta de condições para pagar subsídios
passos coelho subsidios

O primeiro-ministro disse hoje que os subsídios de férias as trabalhadores da Função Pública não vão ser pagos este mês porque "não há ainda condições para que [esse pagamento] pudesse Read more

Fim do euro seria um erro dramático sublinhou Cavaco Silva
CAVACO SILVA

O Presidente da República, Cavaco Silva, defende numa entrevista ao programa da SIC Notícias "Europa XXI", emitido hoje, confiar "muito na sobrevivência do euro" e considerou que seria "um erro Read more

Durão Barroso não fez nada na Comissão Europeia diz Ministra francesa
Durão Barroso

A Ministra do Comércio Externo francês, Nicole Bricq, considera que José Manuel Durão Barroso "não fez nada durante o mandato", na polémica das últimas semanas entre Paris e o presidente Read more

Paulo Portas apresenta demissão do Governo
Paulo Portas

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, apresentou hoje o seu pedido de demissão ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho. A decisão "é irrevogável", adianta o ministro de Read more

Governo de coalizão anuncia acordo para sair da crise
Governo de coalizão

O primeiro-ministro português Pedro Passos Coelho conseguiu, nesta sexta-feira, um acordo com seu sócio de coalizão e ministro das Relações exteriores demissionário, Paulo Portas, cujos detalhes serão revelados mais tarde, Read more