• Seg. Jun 21st, 2021

“Negociatas” do PS são “indecentes e muitíssimo graves” diz o líder do CDS

Francisco-Rodrigues-Santos-16-05-2021

Francisco Rodrigues dos Santos, acusou o PS de fazer “negociatas indecentes e muitíssimo graves”. Aludindo à notícia da secretária de Estado do Ambiente que foi adjunta do ministr e tinha funções no Governo, enquanto sócia numa empresa.

“Estas negociatas são indecentes, são muitíssimo graves e são próprias do Governo socialista, cujo primeiro-ministro José Sócrates está hoje sentado no banco dos réus e está o país todo a pagar estas ‘inventonas’ e estas negociatas, que foram na altura realizadas”, acusou o líder do CDS-PP.

Francisco Rodrigues dos Santos falava em Oliveira do Hospital onde fez a sua apresentação pública de candidato à assembleia municipal no concelho onde tem as suas raízes familiares, e aproveitou o discurso de apresentação para criticar o Governo socialista, indo buscar episódios recentes que tem criticado.

“Este Governo socialista é uma verdadeira caixa de Pandora, é que todas as semanas aparecem novos casos que envergonham o país e que dão mau nome a este Governo”, apontou.

Rodrigues dos Santos usou a notícia de sexta-feira, do semanário Expresso, que dizia que “a secretária de Estado do Ambiente, enquanto foi adjunta deste ministro [do Ambiente], acumulou funções também de sócia de uma empresa que contratualizava com o Ministério do Ambiente”.

“Ora vejam bem, a secretária de Estado conseguiu ganhar concursos públicos na área do Ambiente, enquanto era adjunta do ministro do Ambiente. É tal e qual isto que vos estou a dizer”, sublinhou.

“Quando todo o mundo está preocupado com o aquecimento global, o Ministério do Ambiente está focado no enriquecimento global dos seus funcionários”, acrescentou.

“Isto é gravíssimo, é indecente e mina a confiança na política e é preciso, de uma vez por todas, acabar com a promiscuidade entre a política e os negócios, porque esta promiscuidade dá mau ambiente à política e mina a confiança dos nossos eleitores”, defendeu.

Neste sentido, considerou que “esta rede do PS é hoje a mais poderosa e a mais influente de sempre, porque o PS controlando a máquina do Estado, endividando-a, vai empobrecendo o país, vai aumentando as dependências do Estado e vai, desta mesma maneira, promover o aparecimento de casos de corrupção”.

O líder do CDS-PP aproveitou para questionar “onde é que está a entidade da transparência para não ter detetado que haveria aqui, possivelmente, um conflito de interesses entre esta secretária de Estado e as funções que ocupa no Ministério? Onde é que estava a entidade da transparência para imediatamente questionar a possibilidade de haver aqui uma violação do princípio da exclusividade?”.

“Eu respondo-vos, porque esta entidade da transparência foi criada pelo Partido Socialista e pelo Bloco de Esquerda, mas só existe no papel, não tem existência jurídica nem de facto. Portanto, é mais um organismo que o PS cria, agita aos portugueses para fingir que combate a corrupção para, no fundo, ficar tudo, rigorosamente, na mesma”, disse.

O jornal Expresso escrevia na sexta-feira que a “sobreposição de funções ocorreu entre 2016 e 2019”, altura em que “a secretária de Estado do Ambiente, Inês Santos Costa, fez parte da equipa do gabinete de João Pedro Matos Fernandes, na qualidade de adjunta, e era também sócia de uma empresa, a 3 Drivers, que fez diversos contratos com entidades públicas tuteladas pelo Ministério do Ambiente.

O semanário escreve ainda que “a Associação Transparência e Integridade diz que pode ter havido uma violação do dever de exclusividade e incompatibilidades” enquanto o gabinete do ministro, Matos Fernandes, “assegura que não houve ilegalidade porque a participação de Inês Santos Costa era inferior a 10% do capital social da empresa”, e “não existiu qualquer conflito de interesses, potencial ou outro”. (Ag.Lusa)

Facebook Comments
“A visão política de José Sócrates era de não combater à corrupção”, disse João Cravinho
operação marques

João Cravinho disse considerar haver "comportamentos absolutamente inadmissíveis para qualquer cidadão decente" na Operação Marquês. Em 2006, João Cravinho criou um Plano Anticorrupção que terminou travado pelo PS, foi o Read more

Julgamento de Ricardo Salgado será presidido por juiz Francisco Henriques
Ricardo_Salgado

Operação Marquês: o ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, pronunciado na instrução da Operação Marquês por três crimes de abuso de confiança, vai ser julgado por um coletivo de juízes encabeçado Read more

Operação Marquês: “É um sistema doente e Não podemos continuar assim”
carlos_moedas

Foi dado "como comprovado" que José Sócrates "é corrupto", no âmbito do processo da Operação Marquês, disse Carlos Moedas. Carlos Moedas deixou, severas críticas à decisão instrutória do processo da Read more

Operação Marquês: ex-primeiro ministro (socialista) José Sócrates acusado de 31 dos 189 crimes
o-socrates

José Sócrates está acusado desde 2017, na operação Marquês, de 31 crimes de corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documentos e fraude fiscal, num processo com 28 arguidos e Read more

Show Buttons
Hide Buttons