• Sex. Abr 23rd, 2021

O partido do CDS não descarta acordo com o partido Chega pós-legislativas.

cds-pp-francisco-rodrigues-santos

Numa entrevista pelo Observador, o líder do CDS Rodrigues dos Santos reage a Mesquita Nunes e diz que “não se convocam por dá cá aquela palha”. Quanto ao Chega, admite conversar nos mesmos moldes do que aconteceu nos Açores.

O partido do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos, tomou “boa nota da opinião de Adolfo Mesquita Nunes” sobre eleições antecipadas e que a questão vai ser analisada pelos órgãos próprios do partido. “Estou totalmente solto e livre”, diz numa entrevista ao Observador, transmitida em direto na rádio.

Admite analisar resultados, mas que não é tempo de ir a votos internamente e ainda deixa em aberto uma discussão futura sobre acordos com o Chega, mesmo quando defende que o caminho do partido não pode ser o da “radicalização”.

Questionado sobre eventuais acordos com o partido de André Ventura, Rodrigues dos Santos garante estar “empenhado em dar músculo ao CDS” e que nas “autárquicas não vai ter entendimentos nenhuns com o Chega”. E nas legislativas? “Temos de falar”, responde deixando o assunto em aberto.

“Quero contrariar estas tendências de sondagens mas sem ceder à tentação discursos contrários à própria entidade” do CDS e considera que os resultados do “Chega não têm leitura em legislativas”, embora reconheça que o partido esteja a conseguir congregar os votos dos eleitores “que não têm voz” — “ainda que dizendo atoardas”. O Chega é fascista? “Claro que não é”, responde.

Também diz que falou com Mesquita Nunes — que criticou a sua liderança — e provoca o ex-vice do partido dando-lhe as boas-vindas à “atividade interna do partido” e recordando também que na última reunião do Conselho Nacional o militante disse o contrário do que agora defende num artigo de opinião.

Meetic

“Quero perceber as motivações de fundo que estão por trás disto”. E acrescenta, sobre si mesmo que, não provoca incidentes internos no partido” e que há órgãos próprios para o fazer sem “lavar roupa suja” na praça pública.

Porque não ir a votos agora? “Porque isto não é assim. Um ex-dirigente do CDS de repente volta a interessar-se pela vida política do partido, depois de ter coordenado um programa eleitoral do partido e de o ter abandonado”, responde ainda sobre Mesquita Nunes defendendo que “não se convocam eleições no CDS por dá cá aquela palha”.

“Não têm noção — ou se calhar têm — sobre o dano que estão a provocar ao partido” nesta altura. E garante que nas eleições mais recentes (Açores e Presidenciais) a área política do partido teve “bons resultados que cumpriram objetivos do CDS. Temos de redefinir o posicionamento do CDS dentro da geometria à direita”.

“O foco de qualquer partido democrático deve ser colocar o interesse nacional acima da mercearia interna dos partidos”, disse Francisco Rodrigues dos Santos quando questionado sobre o seu lugar e a leitura interna que deve fazer dos últimos resultados eleitorais de perda de terreno à direita. E garante que não está disponível para se “aproximar das franjas mais radicais”, mantendo-se como “partido profundamente moderado”.

“Estamos a enfrentar um contexto à nossa direita que nunca na história se verificou”, diz sobre a perda de votos à direita para outros partidos, como aconteceu nos Açores, por exemplo.

Mas não concorda com a opinião do deputado João Almeida que critica a ação do partido sob a sua liderança e diz que isso “também soa a autocrítica”. João Gonçalves Pereira é mais um dos deputados que critica a sua liderança, mas Francisco Rodrigues dos Santos foge à pergunta sobre mais uma crítica que surge dentro da bancada parlamentar do seu partido.

Na questão da pandemia, o líder do CDS rejeita que se tenha referido à cooperação entre o Presidente e o Governo “como união siamesa, mas na ótica da “conjugação de esforços” porque “ninguém percebe que os partidos estejam divididos quando é preciso salvar vidas”. (Artigo original: Link)

Facebook Comments
Líder do CDS acusa ministro Eduardo Cabrita de se ter transformado em “embaraço nacional”
cds-Francisco-Rodrigues-Santos

CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, insistiu na demissão do ministro da Administração Interna, acusando Eduardo Cabrita de se ter transformado "num embaraço nacional". "Que mais tem de acontecer para que Read more

O partido CDS vai pedir audição do presidente do Tribunal de Contas no parlamento
cds-Francisco-Rodrigues-Santos

O CDS-PP quer chamar ao parlamento o presidente cessante do Tribunal de Contas (TdC), disse o líder do CDS, alegando que o “primeiro-ministro e o Presidente da República assumiram posições Read more

Francisco Rodrigues dos Santos, o novo líder do CDS ?
cds-francisco-rodrigues-santos

Francisco Rodrigues dos Santos, que vai ser hoje eleito líder do CDS, é advogado, era o mais jovem dos candidatos, e fez um percurso ligado à Juventude Popular (JP), de Read more

André Ventura contra fecho de restaurantes e a sugerir que Costa se vai embora
chega-ventura-16-09-2020

O candidato presidencial do Chega defendeu que setores como restauração, cafetaria, pequeno comércio e eventos culturais devem permanecer abertos e sugeriu que o primeiro-ministro, António Costa, se prepara para abandonar Read more

Show Buttons
Hide Buttons