• Qui. Jul 7th, 2022

Partido CDS vê partilha de dados com Rússia como “ato de terrorismo político”

cds-Francisco-Rodrigues-Santos

O presidente do CDS-PP sustentou que a partilha de dados de três ativistas anti-Putin residentes em Portugal entre a Câmara de Lisboa e as autoridades russas “representa um ato de terrorismo político e subserviência“.

“A denúncia de manifestantes a Moscovo por Fernando Medina representa um ato de terrorismo político e de subserviência, entregando a cabeça de três pessoas a um Governo que viola os direitos humanos e que mata opositores”, destacou o líder do CDS-PP.

Numa nota enviada à agência Lusa, Francisco Rodrigues dos Santos frisou que o CDS-PP “está ao lado das três vítimas”.

E acrescentou que “deve ser apresentada queixa à PGR, por cumplicidade com a Rússia e para apuramento das responsabilidades criminais”.

Para o líder centrista, “um pedido de desculpa não protege a vida dos denunciados nem afasta um crime”.

“Os tiques autoritários do PS querem transformar Lisboa em Moscovo e a Liberdade e em servidão”, salientou.

Francisco Rodrigues dos Santos defendeu que, “ou Medina se afasta, ou o povo que ama a liberdade tem de removê-lo com o voto”.

Na sequência deste caso, o candidato do PSD à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, pediu já a demissão do presidente da autarquia, Fernando Medina, numa posição que tem estado a ser difundida nas redes sociais e na imprensa diária, depois de o Expresso ter noticiado que a CML tinha enviado para a Rússia dados de ativistas russos a residir em Portugal.

Entretanto, a Câmara de Lisboa anunciou que alterou os procedimentos internos para manifestações por forma a salvaguardar dados pessoais de manifestantes, após uma queixa de ativistas russos que viram os seus dados partilhados com a Embaixada da Rússia.

“Foram alterados os procedimentos internos desde 18 de abril e, nas manifestações subsequentes para as quais foi recebida comunicação (Israel, Cuba e Angola) não foram partilhados quaisquer dados dos promotores com as embaixadas”, justificou a CML em comunicado.

O caso dos ativistas russos reporta-se a 18 de janeiro, quando foi comunicada uma concentração em solidariedade com o opositor russo Alexei Navalny, detido na Rússia, com vista à sua libertação.

“A CML lamenta que a reprodução de procedimentos instituídos para situações de normal funcionamento democrático não se tenha revelado adequada neste contexto. Ciente dessa realidade, os procedimentos foram desde logo alterados, em conformidade com o Regulamento Geral de Proteção de Dados, para melhor proteção do direito à manifestação e à liberdade de expressão, pilares fundamentais do Portugal democrático”, lê-se no comunicado.

No entanto, a Câmara de Lisboa rejeita “de forma veemente” quaisquer acusações e insinuações de cumplicidade com o regime russo, considerando que a maioria dessas acusações tem apenas como propósito “o óbvio aproveitamento político a partir de um procedimento dos serviços da autarquia”. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Israel exige pedido de desculpas após Lavrov comparar Zelensky a Hitler
Israel-exige-pedido-de-desculpas-apos-Lavrov-

O primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, exigiu um pedido de desculpas do ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, na sequência da comparação feita por este durante uma entrevista ao canal Read more

Guerras ideológicas: Toda a guerra começa com uma ideia.
guerra-de-putin-contra-ucrania

A Guerra de Putin é tão simplesmente a de voltar a ter um império. O valor de uma ideia afere-se pelas suas consequências. Não interessa se parece boa ou má, Read more

Putin disse “claramente” a Macron que não procura um confronto
Vladimir-Putin-28-01-2022

Ucrânia : o Presidente russo disse "muito claramente" ao seu homólogo francês que não procura uma confrontação na Ucrânia, anunciou a presidência francesa, segundo a qual os dois líderes concordaram Read more

Presidente dos Estados Unidos diz que ciberataques russos poderão desencadear “conflito armado”
Joe-Biden

Joe Biden, presidente (EUA), acusou a Rússia de tentar interferir nas eleições intercalares de 2022, disseminando "desinformação", e considerou que os ciberataques poderão, um dia, desencadear "um verdadeiro conflito armado". Read more

Show Buttons
Hide Buttons