• Qua. Nov 25th, 2020

O Partido Chega apresenta revisão constitucional para livrar Estado de “clientelas”

André Ventura do partido Chega, anunciou que o partido vai retomar a sua “proposta completa de revisão constitucional” para “finalmente refundar o Estado“, “mais livre de impérios políticos” e de “clientelas políticas“.

Declaração feita por André Ventura na Assembleia da República, em que acusou o Governo de ter falhado no combate à pandemia de covid-19 e de “começar a desgastar o sistema político“.

“Porque falhámos todos”, afirmou, é preciso olhar para um “Estado mais livre de impérios políticos, mais livre de clientelas políticas“.

Um Estado, descreveu, que “não tenha medo de combater viavelmente e eficazmente a corrupção” e que reconheça: “Que há minorias que vivem à nossa custa e não toleraremos.”

Que a revisão da revisão constitucional “seja o primeiro passo para a refundação do Estado”, concluiu André Ventura na sua declaração política que não teve qualquer pergunta das restantes bancadas.

O Chega apresentou uma proposta de revisão constitucional em fevereiro, mas retirou-a um mês depois, em março, quando começou a pandemia de covid-19 e o parlamento reduziu a sua atividade.

Num discurso de seis minutos, André Ventura dedicou cinco a ataques ao Governo pela forma como responde à crise pandémica, criticou António Costa por ter “chamado cobardes aos médicos” e o ex-ministro das Finanças Mário Centeno, hoje governador do Banco de Portugal, “o mágico dos mágicos”, por ter abandonado os portugueses.

“Deixou-nos sozinhos a caminhar para a maior crise de sempre”, disse.

O deputado do Chega acusou ainda o executivo de ter “tanto medo de eleições como o gato tem da água” e os partidos de esquerda de terem “medo de ir a eleições”.

Na ausência de Ferro Rodrigues, com quem admitiu ter divergências, Ventura afirmou que, se pudesse, dar-lhe “um abraço sentido” por o presidente do parlamento ter criticado, numa reunião entre epidemiologistas e políticos, no Porto, a falta de respostas nos lares.

“Tocou no ponto que deveria ser tocado”, resumiu.

O projeto de revisão constitucional do Chega visa, entre outros objectivos, introduzir matérias como combate à grande criminalidade, reforma do sistema político, nomeadamente a redução do número de deputados e membros do Governo, a castração química de pedófilos ou a prisão perpétua. (Ag.Lusa)

Facebook Comments
Custa ver a facilidade com que se dá milhões ao Novo Banco e não há trocos para os lares

O economista António Bagão Félix diz que "Governo não chegará até ao fim" e critica todo o processo relativo ao Novo Banco e admite que lhe custa ver como há Read more

Partido PSD quer alterar regras de distribuição eletrónica de processos a juízes

O PSD considera "prioritária a reforma da justiça" e vai entregar um projeto de lei no parlamento para introduzir mecanismos de controlo de distribuição eletrónica dos processos judiciais, anunciou o Read more

Operação Lex: a lista dos 17 arguidos e dos crimes que são acusados

Operação Lex: Atividade desenvolvida por três juízes desembargadores, o presidente do Benfica, um empresário de futebol e um advogado entre os 17 acusados de crimes económico-financeiros no processo Operação Lex. Read more

Novo Banco: BE quer administradores, acionistas e auditores responsabilizados pessoalmente

O partido BE defendeu que os acionistas, auditores bancários e administradores "devem ser pessoalmente responsabilizados por parte das perdas" em função dos ganhos, quando uma instituição bancária como o Novo Read more

Show Buttons
Hide Buttons