• Qui. Jul 29th, 2021

Será que Presidente da República perdeu “braço de ferro” com Governo?

marcelo-10-02-2021

Marcelo Rebelo de Sousa foi instado a comentar o “chumbo” do Tribunal Constitucional (TC) aos apoios sociais.

“Sabia que havia o risco de o TC poder decidir noutro sentido, simplesmente, ao promulgar, eu sabia outra coisa: decidisse o Tribunal o que decidisse, estavam garantidos os apoios”, sublinhou.

De partida para Luanda, para participar na cimeira da CPLP, Marcelo Rebelo de Sousa foi instado a comentar o ‘chumbo’ do Tribunal Constitucional (TC) aos apoios sociais aprovados no Parlamento e por si aprovados.
O chefe de Estado, questionado sobre se perdeu o ‘braço de ferro’ com o Governo, afirmou: “Depende da perspetiva”.

“Do ponto de vista jurídico, em três dos cinco pontos, o Tribunal Constitucional entendeu que a minha leitura não era a dele. Politicamente, os portugueses já receberam – isso foi fundamental -, desde março, os apoios sociais”, explicitou, acrescentando que “receberam mais e receberam logo”.

E questionou: “Isto é ganhar ou é perder? Eu acho que os portugueses ganharam”. “Quem ganhou, politicamente, foram os portugueses”, reiterou Marcelo Rebelo de Sousa.

Destacando que “estamos aqui para governar para os portugueses“, o Presidente da República sublinhou que, “de facto, o que acontece é que os portugueses receberam a partir das leis, antes do decreto-lei do Governo, receberam mais e receberam mais cedo”.

Ou seja, no entender de Marcelo, “o efeito prático pretendido foi alcançado”. Mas foi estratégia? O chefe de Estado apontou que a sua promulgação ao diploma “foi uma questão de convicção”. “Para mim não havia problema de constitucionalidade e havia um problema urgentíssimo em março e abril que era apoiar os portugueses”.

“Sabia que havia o risco de o TC poder decidir noutro sentido, simplesmente, ao promulgar, eu sabia outra coisa: decidisse o Tribunal o que decidisse, estavam garantidos os apoios”, sublinhou, acrescentando que “na vida há opções”. “A mim não me repugnava em termos constitucionais e havia uma vantagem em termos sociais. Não tive dúvidas na escolha”, referiu.

Problemas na relação com o Governo ?

Já sobre se a relação entre Belém e São Bento está ‘complicada’ – agora com (mais) esta questão -, o chefe de Estado foi taxativo: “Não andamos nada tensos. Andamos muito bem”.

Aliás, afirmou Marcelo, “quando o primeiro-ministro disse que ia recorrer ao Tribunal Constitucional eu achei bem. Porque quem tem o poder pode exercê-lo e deve exercê-lo”. “A Democracia é assim”.

De recordar que o Presidente da República chega na quinta-feira à noite a Luanda, onde estará até domingo de manhã, com uma agenda dominada pelos trabalhos da XIII Cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) no sábado.

Facebook Comments
Antonio Costa não tem conta à ordem e não se sabe como recebe salário.
antonio-costa-15-05-2021

O "Primeiro Ministro" que não tem conta bancária... Como assim ? Nâo tem conta bancária ? O PM é um funcionário público, e se um funcionário público não tem conta Read more

FMI afirma discussão em volta do impacto de decisão do Tribunal Constitucional
Tribunal Constitucional

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reiterou, através de fonte oficial, que estão a decorrer discussões com o Governo português acerca do impacto da decisão do Tribunal Constitucional, em particular na Read more

Presidente da República não deve tomar posse se abstenção for “uma vergonha”
Vitorino-Silva

Vitorino Silva, candidato presidencial, tem a honra de defender que a eleição de 24 de janeiro deve ser invalidada se não houver pelo menos 50% de votantes, argumentando que "vai Read more

Presidente afirma que é urgente reformar sistemas político, económico e social
presidente-marcelo

O Presidente da República defendeu esta que é urgente reformar os sistemas político, económico e social, que no seu entender estão “gastos” e “lentos” face às mudanças, “enquistados nos seus Read more

Show Buttons
Hide Buttons