• Qua. Nov 25th, 2020

BdP: Atividade económica e consumo privado atingem mínimos históricos em maio

Os indicadores coincidentes para a atividade económica e para o consumo privado atingiram em maio mínimos históricos, refletindo o impacto da crise relacionada com a doença Covid-19, divulgou esta sexta-feira o Banco de Portugal.

“Em maio, o indicador coincidente mensal para a atividade económica e o indicador coincidente mensal para o consumo privado voltaram a registar uma redução acentuada, refletindo o impacto da crise pandémica” e atingindo, em ambos, “mínimos históricos”, segundo o banco central.

Em março e abril estes indicadores tinham registado as maiores quedas mensais desde o início das séries, em 1978.

Segundo a informação divulgada, em maio, a taxa de variação homóloga do indicador para a atividade económica foi de -4%, agravando-se face aos -2,5% de abril, enquanto a variação homóloga do indicador para o consumo privado passou de -5,7% para -8% em maio.

Online Website Builder

Considerando o trimestre terminado em maio, a taxa de variação homóloga dos indicadores para a atividade económica e para o consumo privado foram negativas em 2,6% e 5,7%, respetivamente, o que compara com -1,2% e -3,4% de abril, pela mesma ordem.

Desde o início do ano, a taxa média de variação do indicador coincidente mensal para a atividade económica é de -1,4% (1,9% postivo no período homólogo de 2019), enquanto a do indicador coincidente mensal para o consumo privado é de -3,5% (3,3% em 2019).

Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico.

Ressalvando que a incorporação de nova informação pode refletir-se mensalmente na revisão dos valores passados dos indicadores coincidentes, o BdP alerta que no atual contexto de crise pandémica, “dadas as alterações bruscas e significativas nos valores das séries utilizadas na sua compilação, é expectável que se verifiquem revisões dos indicadores coincidentes superiores ao habitual”.

Facebook Comments
Endividamento da economia sobe em agosto, e está acima dos 736 mil milhões

Os dados foram divulgados pelo Banco de Portugal, o endividamento do setor não financeiro da economia cresceu para 736,6 mil milhões de euros em agosto, depois de se ter cifrado Read more

Governo devia dar “mais estabilidade previsional às empresas”, afirma economista

João Cerejeira, professor universitário defendeu em entrevista à Lusa, que o Governo deve equacionar dar “mais estabilidade previsional às empresas”, por exemplo através da indexação da subida do salário mínimo Read more

Primeiro-ministro diz que o país não pode voltar a parar porque não é sustentável

António Costa defendeu que o país não pode a voltar a parar, tal como aconteceu nos meses de março e abril, porque do ponto de vista social e económico não Read more

Endividamento da economia portuguesa sobe para 735,4 mil ME em junho

Portugal: endividamento da economia chega aos 360% do PIB em junho. O endividamento do setor não-financeiro situou-se em 735,4 mil milhões no final do primeiro semestre, mais 16,7 mil milhões Read more

Show Buttons
Hide Buttons