Bruxelas dá “luz verde” à venda de seis barragens da EDP a consórcio francês

A Comissão Europeia aprovou a venda de seis barragens da EDP, no Douro, a um consórcio de empresas francesas composto pela Engie, Mirova e Crédit Agricole, concluindo que a operação não afeta a concorrência na UE.

“A Comissão Europeia aprovou, no âmbito do regulamento europeu de concentrações, a aquisição de seis centrais hidroelétricas em Portugal pela Engie, Mirova e Predica [filial do grupo Crédit Agricole], as três sediadas em França”, informa Bruxelas em comunicado.

Para o executivo comunitário, “a concentração proposta não suscitou preocupações de concorrência devido ao seu impacto limitado no mercado” da União Europeia (UE), de acordo com a nota.

Em causa está o processo da venda de seis barragens da EDP – Energias de Portugal em Portugal a um consórcio liderado pela Engie.

Em dezembro passado, a elétrica anunciou a venda da concessão de seis barragens em Portugal a um consórcio de investidores, formado pela Engie, Crédit Agricole Assurances e Mirova, por 2,2 mil milhões de euros.

Os chineses a irem buscar o que é deles, e com muita rapidez. Será que a EDP está a desfazer-se aos poucos?

Num comunicado feito na altura ao mercado, a EDP precisou que este consórcio era “formado pela Engie (participação de 40%), Crédit Agricole Assurances (35%) e Mirova – Grupo Natixis (25%)”.

As centrais hídricas, localizadas na bacia hidrográfica do rio Douro, totalizam 1.689 megawatts (MW) de capacidade instalada.

Em causa estão três centrais de fio de água, em Miranda, Bemposta e Picote, com 1,2 gigawatts (GW) de capacidade instalada e três centrais de albufeira com bombagem, em Foz Tua, Baixo Sabor e Feiticeiro, com 0,5 GW de capacidade.

Conforme indicou a empresa liderada por António Mexia ao mercado, o valor de transação acordado representa um ‘enterprise value’ de 2.210 milhões de euros.

Na altura, estimava-se que a transação se concluísse no segundo semestre deste ano, faltando as aprovações regulatórias necessárias, como era o caso do aval de Bruxelas.

Será que a EDP está a desfazer-se aos poucos, para garantir dividendos aos seus acionistas… que só pensam em receber com muito lucro a curto prazo o dinheiro investido, para daqui a 2 ou 3 anos venderem as acções ao desbarato e a EDP tornar-se numa empresa sem valor ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

Show Buttons
Hide Buttons