Manifestação em Vila Real para exigir encerramento da central nuclear de Almaraz

O Movimento Ibérico Antinuclear (MIA) convocou para hoje, em Vila Real, uma concentração que tem como objetivo exigir o encerramento da central nuclear de Almaraz e colocar o tema na agenda da cimeira luso-espanhola.

A 29.ª cimeira dos governos português e espanhol, liderados por António Costa e Mariano Rajoy, decorre entre hoje e terça-feira, na região do Douro e em Vila Real.

Aproveitando o encontro dos governos, o MIA convocou uma manifestação antinuclear para hoje, na praça do município da cidade transmontana, na qual vão também marcar presença dirigentes da associação ambientalista Quercus.

“O objetivo é, neste primeiro dia de cimeira e em que os governos espanhol e português vão estar reunidos, chamar mais uma vez a atenção para os problemas da energia nuclear”, afirmou à agência Lusa Nuno Sequeira, da Quercus.

O ambientalista disse que se pretende “que os dois governos falem sobre este problema na cimeira”. “Por aquilo que nós sabemos o assunto foi deliberadamente esquecido ou ignorado e não faz parte da ordem de trabalhos da reunião”, explicou.

Na semana passada, o primeiro-ministro, António Costa, explicou que o tema da central nuclear de Almaraz não será abordado especificamente na cimeira luso-espanhola porque tem sido tratado diretamente por ele próprio e pelos ministros dos Negócios Estrangeiros e do Ambiente.

A concentração dos ambientalistas e ativistas visa também exigir que os governos Português e Espanhol tomem “medidas no sentido de colocar em marcha o encerramento de Almaraz, na data que está determinada, em 2020”.

A central nuclear fica situada junto ao rio Tejo, na província de Cáceres, em Espanha, a cerca de 100 quilómetros da fronteira com Portugal.

É por isso, segundo Nuno Sequeira, “a central que mais perto está de Portugal e aquela que mais impactos pode ter no nosso país no caso de acontecer um acidente”.

“Queremos aproveitar simbolicamente a cimeira para chamar a atenção dos governantes e da opinião pública para este problema que consideramos muito grave e que está a ser repetidamente ignorado por Portugal e por Espanha, com a conivência de Bruxelas”, salientou Nuno Sequeira.

O MIA está convicto de que “existem fortes pressões” em Espanha para que a “central não encerre no prazo definido (2020)”, e que “o Governo Espanhol possa dar autorização para que possa continuar em funcionamento por mais dez ou vinte anos, constituindo-se assim Almaraz como um dos maiores perigos para toda a Península Ibérica e Europa”.

As cimeiras ibéricas são reuniões anuais bilaterais realizadas entre o presidente do Governo de Espanha e o primeiro-ministro de Portugal onde se discutem questões de grande interesse para ambos os governos e projetos de cooperação entre os dois países.

Esta 29.ª cimeira tem como temas fortes a cooperação transfronteiriça em áreas como a energia, as infraestruturas e o ambiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.