• Sáb. Nov 27th, 2021

Paulo Rangel e Nuno Melo criticam primeiro-ministro sobre a presidência portuguesa da UE

parlamento-EU

António Costa foi alvo de críticas por parte dos eurodeputados Paulo Rangel (PSD) e Nuno Melo (CDS-PP) no debate no Parlamento Europeu sobre a presidência portuguesa da UE.

Na sua intervenção no hemiciclo de Bruxelas, o líder da delegação social-democrata desferiu diversos ‘ataques’ a Costa, criticando a gestão da pandemia da covid-19 em Portugal no natal, desafiando o primeiro-ministro a dar explicações perante a assembleia sobre a polémica em torno da nomeação do magistrado José Guerra para a Procuradoria Europeia e deplorando a acusação que o chefe de Governo lhe dirigiu de participar numa campanha internacional para denegrir a imagem externa de Portugal.

“Falando em saúde: tem algum plano para coordenar as respostas dos governos em sede de medidas de restrição? Se no natal se tivesse optado pela coordenação e se se tivesse seguido os exemplos francês, alemão e italiano, os números em Portugal não seriam tão trágicos. Agora já está disposto a apostar nesta coordenação?”, começou por questionar.

De seguida, e sobre o Fundo de Recuperação, Rangel perguntou ao primeiro-ministro o que tenciona “fazer para garantir que o dinheiro é bem aplicado” e observou de imediato que “essa é uma das funções principais da Procuradoria Europeia, combater a fraude e a corrupção de fundos europeus, ‘recuperando’ a polémica em torno da designação do procurador José Guerra.

“Não lhe farei perguntas sobre isso, porque há um debate de urgência [no Parlamento Europeu], que, a pedido do seu Governo, foi adiado de ontem para hoje. Assim sendo, e como está cá, lanço-lhe o desafio: represente em pessoa o Conselho nesse debate. É o local próprio para se explicar”, disse.

A terminar, Rangel referiu-se à acusação que lhe foi dirigida recentemente por António Costa, quando este afirmou que o eurodeputado – assim como os sociais-democratas Miguel Poiares Maduro e Ricardo Batista Leite – está envolvido numa campanha para denegrir a imagem externa do país durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

“Finalmente, uma nota pessoal, [entre] nós, que nos conhecemos e convivemos há tantos anos, com respeito, afabilidade e sentido democrático. Está na casa da democracia europeia, de que, aliás, foi membro. Aqui, olhos nos olhos, diga-nos: acha mesmo que deputados de todos os partidos e de todos os Estados-membros alinharam numa conspiração internacional contra Portugal, o Estado e o Governo português? Tem mesmo coragem de o repetir aqui que isso foi montado, diante de todos?”, perguntou.

Rangel garantiu que “os deputados do PSD estarão sempre ao lado de Portugal e da Europa”, a começar por si próprio. “Vou trabalhar para que Portugal e o Governo português tenha sucesso. Mas vou trabalhar como sempre: sem medo de ameaças, sem medo de intimidações”, concluiu.

Imediatamente a seguir, o líder da delegação do PS ao Parlamento Europeu, Carlos Zorrinho, afirmou que é sabido, “até por experiência na política interna de Portugal, que há quem não hesite em propagar ‘inventonas’ para enfraquecer a capacidade de cumprir a missão”.

“E foi o que fez, aliás, na sua intervenção o deputado Paulo Rangel. No debate desta tarde tudo será de novo esclarecido sobre a nomeação do Procurador europeu por Portugal, e espero então que o senhor deputado tenha a humildade de pedir desculpa”, disse, referindo-se ao debate agendado para o final da tarde, no qual a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, fará uma declaração em nome do Conselho.

Também o deputado socialista Pedro Marques lamentou que “um deputado do Partido Popular Europeu” tenha optado por “desafinar do resto da câmara, nacionalizar o debate e atacar o primeiro-ministro de Portugal”.

“Registo com pesar esta escolha do PPE e do PSD, mas adiante, que este não é o tempo para a pequena política, porque a presidência portuguesa começa com grandes desafios”, disse.

A intervenção de Rangel mereceu também reparos do deputado José Gusmão, do Bloco de Esquerda. “Nós não traremos para este plenário debates nacionais, que apenas revelam a absoluta ausência de agenda, nacional e europeia, de uma direita que só se agarra a casos e não debate nem as prioridades do país nem as prioridades da Europa”, disse.

Já na parte final do debate, também “Nuno Melo não poupou” António Costa, começando a sua intervenção por dizer que iria “resistir” a “comentar a nomeação de um procurador europeu com base em informações falsas, que assim compromete a credibilidade da Procuradoria no exato momento em que nasce”.

Apontando que António Costa assume a liderança da UE “num momento em que a pandemia de covid-19 mostra sinais de absoluto descontrolo”, Nuno Melo criticou então a política seguida pelo Governo em Portugal na gestão da pandemia.

“Os europeus precisam de olhar para si e confiar que estará à altura do desafio, mas infelizmente olham para o desastre que acontece em Portugal e duvidam […] O que é que pode dizer hoje aqui para tranquilizar os europeus e dizer que fará muito melhor à frente de 27 países do que está a conseguir em Portugal?” questionou.

Falando imediatamente a seguir, o eurodeputado socialista Pedro Silva Pereira considerou “lamentável que alguns, felizmente muito poucos, queiram usar o palco do Parlamento Europeu para a sua pequena guerrinha política nacional”.

Na intervenção final, Costa não respondeu às críticas de Rangel e Melo, limitando-se a apontar, a propósito da Procuradoria Europeia, que foi o seu Governo “que juntou Portugal a esse mecanismo”, pois até então “Portugal tinha-se recusado a juntar-se a esse mecanismo de cooperação reforçada”.

Menos de uma semana após ter acolhido a visita a Lisboa de uma delegação do colégio da Comissão Europeia liderada pela presidente Ursula von der Leyen, na passada sexta-feira, e de também já ter recebido o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no lançamento da presidência, no início do mês, Costa completou assim hoje a ronda de discussões institucionais sobre o programa do semestre com o Parlamento Europeu. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
José Guerra: Procurador europeu diz que foi nomeado de acordo com as regras
Jose-Guerra-procurador

[É preciso ter lata...] O procurador europeu de Portugal José Guerra diz que não se sente fragilizado por causa da polémica em torno da sua nomeação pois foi nomeado de Read more

Paulo Rangel acusa Francisca Van Dunem de “esconder” documentos sobre “procurador”
Paulo-Rangel

O eurodeputado Paulo Rangel (PSD) e quatro outros deputados ao Parlamento Europeu dirigiram uma carta à ministra da Justiça, por entenderem que lhes está a ser negado acesso a documentação Read more

Parlamento Europeu pede a Portugal “toda a documentação” sobre nomeação de procuradores
caso-procuradoria-europeia

O Parlamento Europeu solicitou hoje à ministra da Justiça, enquanto presidente em exercício do Conselho da UE, toda a documentação relativa ao processo de nomeação dos três procuradores europeus que Read more

Nuno Melo fez queixa à Provedora de Justiça Europeia sobre José Guerra
nuno-melo-08-01-2021

O eurodeputado do partido CDS-PP, Nuno Melo, apresentou hoje uma queixa à Provedora de Justiça Europeia, Emily O'Reilly, sobre a polémica nomeação feita pelo Governo português do magistrado José Guerra Read more

Show Buttons
Hide Buttons