Dormir nu reduz risco de diabetes e perde calorias

Dormir nu reduz risco de diabetes e queima calorias. Investigadores da Fundação Nacional do Sono dos EUA concluíram que um em cada três adultos dorme sem roupa o que, além de queimar algumas calorias e melhorar a qualidade do sono, pode reduzir o risco de diabetes.

Na década de 1950, quando Marilyn Monroe disse que dormia apenas com uma gota do perfume favorito, o Chanel n.º 5, o burburinho foi muito. Com as temperaturas mais frias a chegar, é impensável dormir apenas perfumado. Mas, afinal, a eterna diva fazia bem porque dormir nu tem vantagens para a saúde.

O investigador responsável pelo estudo publicado na revista científica Diabetes, Francesco S. Celi, focou-se na análise das temperaturas dos quartos e na eliminação de gorduras em adultos e comprovou que ao dormir sem pijama, o corpo tem maior facilidade em arrefecer e manter a temperatura ideal para uma noite reparadora.

Durante quatro meses, cinco jovens do sexo masculino dormiram em quartos com temperaturas controladas entre os 19 e os 27 graus. No fim do “teste”, os autores do estudo descobriram que quando os jovens dormiram a uma temperatura mais baixa (19 graus), duplicaram os níveis de “gordura boa”, um tipo de massa castanha adiposa saudável, presente no organismo.



Uma análise posterior mostrou ainda que ao longo do dia passaram a queimar mais calorias e a sua sensibilidade à insulina tambem tinha melhorado. O que, esclarece Celi, prova que “dormir num espaço com temperatura ambiente mais baixa [ou nu] pode significar um menor risco de desenvolver diabetes”.

Ao contrário da gordura “branca má”, a gordura castanha queima-se com facilidade e “produz 300 vezes mais calor do que qualquer outro órgão do corpo”, explicou Michael Symonds, professor da Universidade de Nottingham ao Daily Mail.
“Por isso qualquer coisa que se faça para a activar, como diminuir a temperatura do quarto e dormir nu, pode ser um benefício”, acrescentou.

Mas estudos anteriores já tinham mostrado que dormir nu traz mais vantagens, como o aumento da oxitocina, “a hormona do amor”. Kerstin Uvnas-Moberg, professora de psicologia e especialista nesta hormona, disse à mesma publicação que ao dormir com um parceiro, há um aumento da oxitocina que se traduz “num efeito protector sobre o coração e a saúde em geral”, uma vez que reduz a tensão arterial, fortalece o sistema imunitário e diminui a ansiedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.