• Sex. Dez 2nd, 2022

É possível manter vivas as células do organismo por mais tempo, diz estudo

Falta-de-medicos
Share This !

Cientistas suecos e noruegueses demonstrou, num estudo, que é possível manter vivas as células do organismo por mais tempo, se as pessoas tomarem selénio e coenzima Q10.

Os cientistas esperam poder usar estas conclusões para ajudar os mais velhos a manterem-se saudáveis até uma idade avançada.

Todas as células do organismo têm uma esperança de vida, que é possível prolongar, segundo um novo estudo realizado por uma equipa de investigadores suecos e noruegueses.

O estudo, que está publicado na reputada revista internacional Nutrients, focou-se no comprimento dos telómeros, um reconhecido método de avaliar o tempo que resta à célula. Os cientistas estudaram igualmente vários marcadores do envelhecimento, que confirmaram os resultados.

Mediante a administração de suplementação, com selénio e coenzima Q10 ou com placebo, a um grande grupo de idosos – homens e mulheres saudáveis – os cientistas puderam concluir, com base no comprimento dos telómeros, que havia diferença significativa entre os dois grupos.

Os participantes do grupo que tomou os dois suplementos, BioActivo Selénio e BioActivo Q10 Forte, tinham telómeros mais compridos do que os participantes que tomaram placebo. Por outras palavras, a toma das duas substâncias associadas prolongou a vida das células, o que pode ter um impacto significativo na velocidade do envelhecimento.

Os genes estão dispostos ao longo de moléculas de ADN bicatenárias, espiraladas, denominadas cromossomas. Na porção terminal dos cromossomas encontram-se os telómeros, que protegem o ADN contra desgaste ou emaranhamento.

Podem comparar-se às peças de plástico que protegem as pontas dos atacadores. De cada vez que a célula se divide, os telómeros ficam ligeiramente mais curtos. A seu tempo, ficam tão pequenos que a célula deixa de conseguir dividir-se e morre.

Ao que tudo indica, o selénio e a coenzima Q10 conseguem proteger os telómeros, ao retardar o processo de encurtamento, pelo que duram mais.

“O ser humano está sujeito ao envelhecimento, sendo que o aumento do stress oxidativo e a inflamação aceleram o processo, especialmente em situações de falta de selénio e Q10. Contudo, se as pessoas com baixos níveis destes dois compostos tomarem um suplemento, o envelhecimento pode ser retardado”, diz o investigador e professor Urban Alehagen, cardiologista do Hospital Universitário de Linköping, na Suécia.

O estudo recente consistiu em analisar amostras de sangue que a equipa de cientistas recolheu, com regularidade, de mais de 443 participantes no estudo, por um período de cinco anos, como parte do estudo principal, KiSel-10, que foi publicado em 2013, na publicação International Journal of Cardiology.

Neste caso, puderam observar que os participantes que tomaram selénio e coenzima Q10 tinham uma taxa de mortalidade cardiovascular 54% inferior, comparativamente ao grupo placebo.

Normalmente, a doença cardiovascular é a causa principal de morte na idade avançada. Estas constatações despertaram o interesse dos cientistas para procurar uma explicação, pelo que deram início a uma análise sistemática do grande número de amostras de sangue que se encontravam armazenadas em frigoríficos especiais.

Desde a publicação do estudo principal em 2013, foram realizados mais de 20 estudos de seguimento. Na maior parte destes estudos, os cientistas observaram – pela avaliação de vários biomarcadores – que, ao que tudo indica, o selénio e a coenzima Q10 contrariam algumas das alterações biológicas que, normalmente, estão associadas ao processo de envelhecimento.

No estudo mais recente, que é o 23.º sub-estudo, o ponto central foi o comprimento dos telómeros e vários biomarcadores específicos que reflectem a velocidade a que envelhecemos. E, mais uma vez, a equipa de cientistas demonstrou que o selénio e a coenzima Q10 em associação parecem contribuir para a saúde e qualidade de vida das pessoas mais velhas.

Insuficiência de selénio é generalizada

“Até agora, observámos que os dois compostos têm impacto positivo na fibrose, um fenómeno associado ao envelhecimento cardiovascular. Estudámos igualmente outros marcadores e pudemos observar que há relação entre o aporte de selénio e a idade biológica”, esclarece Alehagen.

O aporte médio de selénio em vastas regiões da Europa é relativamente baixo, porque há pouco selénio no solo agrícola comparativamente a outras regiões do mundo.

Os estudos mostram que precisamos de mais de 100 microgramas de selénio por dia, mas o aporte médio é menos de metade deste valor. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Estudo indica que obesidade abdominal provoca disfunção eréctil
obesidade-gordura

Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), mostra que o índice de gordura acumulada na zona abdominal “pode servir de indicador de disfunção eréctil”, recente Read more

Café pode reduzir até 25% o risco de diabetes
Café

Um consumo regular de café contribui para estimular o metabolismo e equilibrar os níveis de glucose, o que diminui até 25 por cento o risco de desenvolvimento de diabetes tipo Read more

PS quer explicações do ministro da Saúde sobre emergência médica
INEM

O PS anunciou que formalizará, na Assembleia da República, a entrega de um requerimento para que o ministro da Saúde seja ouvido no parlamento sobre urgência e emergência médica, considerando Read more

Weedmaps é o Google Maps da marijuana e já chegou à Europa
weedmaps

Em meia hora de caminhada pelo paredão de Venice Beach encontra-se pelo menos meia dúzia de lojas que vendem marijuana e ensinam a consumir. Nestes Green Doctors é possível encontrar Read more

Esperança média de vida dos portugueses volta a aumentar
esperanca-de-vida

A esperança de vida à nascença fixou-se nos 80 anos. Já a população com 65 anos viveu ainda mais 18,97 anos, divulgou o Instituto Nacional de Estatística, segundo os números Read more

Os médicos aderiram à greve greve em todo o país
greve dos médicos

Cerca de metade dos médicos terão aderido à greve em todo o país, calcula a Federação Nacional dos Médicos, apesar de haver locais do País com percentagens de adesão superiores. Read more