• Ter. Jul 5th, 2022

Saúde : Investigadores identificam local nos neurónios que causa dor neuropática

neuronios-que-causa-dor-neuropatica

Os Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto identificaram o “local exato” nos neurónios sensoriais que causa a dor neuropática, descoberta que potencia o desenvolvimento de terapêuticas “mais eficientes” para controlar a dor crónica.

Em comunicado, o Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) revela que o artigo, publicado na revista científica ‘Brain’ e liderado por Mónica Sousa, identifica o “local exato nos neurónios sensoriais que causa dor neuropática”.

A dor neuropática é uma condição incapacitante causada por uma lesão ou disfunção dos neurónios, sendo que na dor neuropática periférica são os neurónios dos Gânglios da Raiz Dorsal – localizados em ambos os lados da espinal medula – que estão afetados.

“É nestes neurónios que tudo acontece”, sublinha o i3S, esclarecendo que estes estabelecem a ligação entre o nosso corpo e o sistema nervoso central até ao cérebro.

“A dor neuropática periférica resulta da geração de impulsos nervosos nestes neurónios, que são recebidos e interpretados pelo sistema nervoso central como uma sensação desagradável de dor, mesmo na ausência de qualquer estímulo ou quando os estímulos não deveriam causar dor”, acrescenta.

Online Website Builder

Citada no comunicado, a investigadora Mónica Sousa, que coordenou a equipa de especialistas, afirma que “há muito que se suspeita” que são os Gânglios da Raiz Dorsal quem espoleta o impulso responsável pela sensação de dor, clinicamente designado de ‘atividade espontânea’.

“O que intrigava a equipa era qual o compartimento celular para indução do impulso nervoso que estaria na génese da dor neuropática”, afirma o instituto, destacando que o “grande passo” da investigação foi “mostrar que os neurónios dos Gânglios da Raiz Dorsal possuem um local específico, denominado Segmento Inicial do Axónio, que é a principal fonte de Atividade Espontânea causadora de dor neuropática”.

“Estas descobertas são extremamente importantes para uma melhor compreensão da função dos neurónios dos Gânglios da Raiz Dorsal na saúde e na dor crónica”, considera a investigadora.

Também a investigadora Ana Nascimento salienta que o conhecimento do local subcelular que está na origem do impulso de dor “vai facilitar o desenvolvimento de analgésicos eficazes e precisos, bem como outras novas terapias, para o controlo da dor crónica”.

O próximo passo na investigação passa por desvendar a importância fisiológica deste Segmente Inicial do Axónio, o qual Mónica Sousa acredita que pode ter uma “função crucial no desenvolvimento do neurónio”, seja para “definir a polaridade da célula”, para “ampliar sinais em condições normais” ou até mesmo para “filtrar a informação que circula nos pontos de confluência de sinais que são os Gânglio da Raiz Dorsal”. (Ag.Lusa)

Conecte-se ao Facebook para poder comentar
Iniciativa Liberal culpa Antonio Costa por ter aceitado “sovietização” da Saúde em 2015
IL-06-06-2022

A Iniciativa Liberal (IL) responsabilizou, esta sexta-feira, o primeiro-ministro pelos constrangimentos no Serviço Nacional de Saúde (SNS). Para além disso, os responsáveis do partido consideraram que os últimos acontecimentos nos Read more

Lifestyle: cinco alimentos que deve comer todos os dias
cinco-alimentos-comer-todos-dias

De acordo com a nutrichef, em declarações ao jornal Metrópoles, ingerir uma alimentação saudável não tem de ser uma tarefa morosa ou de todo complexa. 'Não como saudável por falta Read more

Caminhar 20 minutos por dia pode ajudar a viver mais anos
Caminhar-20-minutos-por-dia

Investigadores italianos descobriram que uma caminhada de apenas 20 minutos por dia pode reduzir para metade o risco de problemas cardíacos em pessoas acima dos 70 anos, sobretudo os homens, Read more

Os portugueses consideram que a saúde é o principal desafio para futuro
saude

A maioria dos portugueses (66%) considera que as questões da saúde são o principal desafio global para o futuro da União Europeia (UE), seguindo-se as alterações climáticas (56%), segundo um Read more

Show Buttons
Hide Buttons