• Qua. Mai 22nd, 2024

PRR retido? Governo repudia “acusações falsas”

Share This !

Governo “rejeita a ideia de que se está perante qualquer retenção de pagamentos”, bem como “as acusações de negligência da sua ação”

O Governo “repudiou” as mais recentes declarações de Luís Marques Mendes sobre o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), acusando o antigo presidente do Partido Social Democrata (PSD) de tecer “acusações falsas”.

Em causa, note-se, está o facto de, no seu espaço de comentário na SIC Notícias, na noite de domingo, Luís Marques Mendes ter afirmado que Bruxelas vai reter um pagamento do PRR de “quase três mil milhões de euros”, porque o Executivo “não aprovou a tempo e horas três decretos-lei a que se tinha obrigado”, especificamente “um de concentração das secretarias gerais de todos os Ministérios; outro de fusão dos gabinetes de planeamento dos Ministérios; o terceiro de reforço jurídico da Administração Pública”.

“Face ao comentário de Luís Marques Mendes, esta noite na SIC, o Governo repudia as acusações falsas, como a de que Bruxelas retém pagamentos do Plano de Recuperação e Resiliência, bem como as acusações de negligência da sua ação e até quanto ao conteúdo das propostas que comentou”, lê-se numa nota da Presidência do Conselho de Ministros enviada às redações.

Na mesma nota, o Governo frisa que “entrou em gestão no passado dia 8 de dezembro de 2023, tendo respeitado desde essa data os limites constitucionais à sua ação”. “Assim, o Governo não gozava das condições para aprovar diplomas que alteram de forma estrutural a organização da Administração Pública Central, nomeadamente no apoio à decisão política”, justifica.

Com a dissolução da Assembleia da República, “os constrangimentos à atuação do Governo aumentaram, não tendo sido possível submeter e ver aprovar uma Proposta de Lei relativa ao mercado de capitais”.

Assim, defende o Governo, “não houve qualquer negligência em relação às reformas previstas no Plano de Recuperação e Resiliência, mas sim um trabalho permanente para a conclusão das medidas e o respeito pelo quadro político que vivemos e que o Governo não desejou, nem defendeu”.

O Executivo liderado por António Costa defende que, “apesar destes condicionalismos”, prosseguiu o seu “trabalho de preparação dos diplomas relacionados com a Reforma da Administração Pública, que apreciará no Conselho de Ministros” de hoje, 25 de março.

“Tal envolveu um trabalho exaustivo de recolha e tratamento de informação que permitiu a preparação do modelo conceptual pelo grupo de trabalho com a missão de executar a reforma funcional e orgânica da Administração Pública, criado através do Despacho n.º 14408/2022, de 16 de dezembro de 2022”, aponta.

“O grupo de trabalho prosseguiu a elaboração da proposta de acordo com o cronograma inicialmente proposto, incluindo a auscultação das diversas áreas governativas envolvidas, em especial, as Secretarias-Gerais e os Gabinetes de Planeamento, ou equivalentes”, lê-se.

O Governo diz que é “também falso que esteja prevista qualquer fusão dos Gabinetes de Planeamento que, pelo contrário, serão reforçados com esta Reforma”.

A nota refere ainda que “as metas e marcos relativos ao 5.º pedido de pagamento encontram-se numa fase avançada de concretização, cabendo agora ao próximo governo submeter esse pedido, sendo que o Governo deixará os dossiers legislativos preparados nas metas a terminar, garantindo que o país continua a beneficiar dos fundos do PRR”.

“O Governo rejeita a ideia de que se está perante qualquer retenção de pagamentos, podendo o próximo Governo concluir o processo e ser o 2.º país em condições de submeter o 5º pedido de pagamento, em linha com o cronograma estabelecido com a Comissão Europeia”, refere.

Por último, o Executivo defende que Portugal “está na linha da frente da execução” do PRR, “tendo já cumprido 102 marcos e metas relativos a investimentos e reformas, 22% do total do programa, o que permitiu receber 4 pedidos de pagamento, algo que só Itália também conseguiu”. (Ag.Lusa)

Artigos que podem lhe interessar :

Lidl investe 14 milhões e abre nova loja e criou 36 novos empregos

O Lidl anunciou que investiu 14 milhões de euros numa nova loja no centro em Lisboa, no Saldanha, te...

Azeite : apesar do aumento vertiginoso do preço do azeite consumo caiu 11% em 2023

O presidente do Centro de Estudos e Promoção do Azeite do Alentejo (CEPAAL) disse que, apesar do aum...

Portugal : Presidente do Instituto da Segurança Social demitiu-se

A presidente do Instituto da Segurança Social (ISS), Ana Vasques, apresentou a demissão à ministra d...

Ministro da Agricultura diz ter "buraco de 61 milhões" para resolver

Ministro da Agricultura disse ter "um buraco de 61 milhões de euros" para resolver no âmbito do Plan...

Remuneração média mensal na função pública cresce para 1.730 € em janeiro

A remuneração base média mensal na administração pública aumentou 6,4% em janeiro, face ao período h...

Economia : Há mais de mil hotéis à venda em Portugal

O número de hotéis à venda em Portugal aumentou 31% no primeiro trimestre face ao mesmo período de 2...

Mensagens fraudulentas com propostas de trabalho preocupam operadoras

O envio de mensagens fraudulentas com propostas de trabalho, alegadamente associadas a empresas como...

Foi aprovada nova orgânica para priorizar fundos europeus, jovens e habitação

O Conselho de Ministros aprovou o decreto sobre organização e funcionamento do XXIV Governo, uma nov...

Ataque do Irão contra Israel já começou, lançados 170 drones', mais de 30 mísseis e mais de 120 mís...

O porta-voz do exército israelita, Daniel Hagari, garantiu que o país "está bem preparado" para resp...

Dia de decisão do BCE, vai mexer nas taxas de juro ?

O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu (BCE) deverá manter pela quinta vez consecutiva ...

Portugal : Plano de emergência para a Saúde "não são boas notícias"

A Frente Comum de sindicatos considerou que o plano de emergência para a Saúde que será apresentado ...

Energias Renováveis abastecem 91% do consumo de eletricidade em março

A produção de energias renováveis abasteceu 91% do consumo de eletricidade no país, durante março, s...

By Team